O Globo


Manchete: STJ mantém condenação de Lula, mas reduz a pena
Progressão para o regime semiaberto poderia ocorrer em setembro

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça confirmou, em terceira instância, a condenação do ex-presidente Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá, mas diminuiu a pena para oito anos, dez meses e 20 dias. Com isso, a progressão para o regime semiaberto pode ocorrer em setembro, se até lá não houver nova condenação em segunda instância. Os ministros do STJ rejeitaram alegações de que faltariam provas e de que teria havido cerceamento da defesa. (Páginas 4 e 6)


Apesar de acordo do governo, oposição atrasa a votação
Mesmo enfrentando discussões que se arrastaram durante a tarde e a noite de ontem, o governo mostrou-se mais articulado na retomada dos trabalhos na Comissão de Constituição e Justiça e anunciou o acordo com o centrão. Porém, até as 22h20m, a admissibilidade da PEC não havia sido votada. (Página 19)

Bolsonaro pede ‘ponto final’ em rixa com Mourão
O vereador Carlos Bolsonaro voltou a usar as redes sociais para atacar o vice, Hamilton Mourão, após o presidente Jair Bolsonaro, seu pai, ter pedido um “ponto final” nas rusgas entre os dois. Olavo de Carvalho, a quem Mourão chamou de “astrólogo”, disse que essa afirmação “é coisa de moleque analfabeto”. (Página 8) 

Gasolina subiu 31% na refinaria, porém postos seguram reajuste
O avanço das cotações do petróleo, do dólar e do frete levou a Petrobras a reajustar ontem o preço da gasolina nas refinarias em 2,04%. A alta acumulada no ano nas refinarias é de 30,9%. Para o consumidor do Rio, é de 0,12%: postos seguram preço para conter queda nas vendas. (Página 21)

Merval Pereira
Com a pena reduzida, as alternativas para Lula sair da prisão (Página 2)

Míriam Leitão
Primeira batalha mostra que o governo tem que se fortalecer (Página 20)

Bernardo Mello Franco
É muito tarde para se arrepender da opção pelo general Mourão (Página 6)

Zuenir Ventura
Bolsonaro anda exagerando e faltando com a verdade (Página 3)

------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo


Manchete: Reforma da Previdência passa na CCJ da Câmara
Governo comemora resultado; texto segue agora para análise de conteúdo na Comissão Especial da Casa

Por 48 votos a 18, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou, na noite de ontem, a proposta do governo para a reforma da Previdência. A tramitação na CCJ – que analisa apenas se o texto respeita princípios constitucionais – durou mais tempo do que o esperado, o que obrigou a equipe econômica a fazer concessões. Apesar das negociações, a proposta aprovada preserva a economia de R$ 1,1 trilhão estimada pelo governo. Lideranças governistas comemoraram o placar da votação. Enviado ao Congresso em 20 de fevereiro, o texto segue agora para análise de conteúdo na Comissão Especial. A oposição afirmou que vai à Justiça para tentar anular a votação. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já planeja as próximas etapas de tramitação. (Economia / Págs. B1 e B3)


STJ mantém condenação de Lula, mas reduz pena
A Quinta Turma do STJ confirmou ontem a condenação do ex-presidente Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá, mas reduziu a pena de 12 anos e 1 mês para 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão. Com isso, de acordo com a Lei de Execução Penal, ele poderá migrar para o semiaberto quando tiver cumprido um sexto da pena, entre setembro e outubro. Lula, no entanto, é réu em outros sete processos e já foi condenado em primeira instância a mais 12 anos e 11 meses de prisão pelo caso do sítio de Atibaia. Os ministros diminuíram de R$ 29 milhões para R$ 2,4 milhões a multa que o petista terá de pagar por dano ao erário e rejeitaram as principais teses da defesa, como a ausência de provas. Lula vai recorrer. (Política / Págs. A4 e A6)

Para Eduardo Bolsonaro, o vice Mourão aparece demais
Filho do presidente Jair Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) endossou as críticas que o irmão Carlos tem feito ao vice Hamilton Mourão. Ao Estado, Eduardo disse que Carlos está “reagindo a isso tudo que salta aos olhos”. “A função dele (Mourão) não é dar opinião”, afirmou. Para Eduardo, o vice já apareceu mais que os antecessores somados. (Política / Pág. A8)

Vera Magalhães 
Nas questões que importam até agora, os militares vencem de goleada os olavetes. Política / Pág. A6

Roberto da Matta 
STF envergonha ao reinventar a censura num Brasil que exige liberdade com igualdade. (Caderno 2 / Pág. C4)

NOTAS & INFORMAÇÕES
Nova vitória do cartel do frete
excesso de oferta tem sido um evidente problema do transporte rodoviário, mas os transportadores ganharam de presente um cartel chapa-branca. (Pá. A3)

O importante e o irrelevante
Fez bem o presidente ao desvincular- se do burburinho criado por Olavo de Carvalho. (Pág. A3)


------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo


Manchete: STJ reduz pena, e Lula pode deixar a cadeia neste ano
Mudança do regime prisional depende das outras ações contra o ex-presidente

Por unanimidade, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça reduziu a penado ex-presidente Lula no caso do tríplex de Guarujá, de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias. A Lei de Execução Penal prevê a progressão para regime semiaberto ao preso com bom comportamento que tiver ficado na cadeia por um sexto da pena. Lula atingirá o prazo em setembro. Essa possibilidade depende do andamento de outros casos — o petista é réu, ao todo, em oito ações penais. No caso do sítio de Atibaia, foi condenado em primeira instância a 12 anos e 11 meses. A defesa do ex-presidente afirmou que recorrerá da decisão do STJ. Segundo Cristiano Zanin, a intenção é a absolvição. Para o advogado, a redução de pena foi “um primeiro passo”. (Poder A4 e A6)


Governo promete R$ 40 mi em troca de apoio
Líderes de partidos dizem que o governo ofereceu extra de R$ 40 milhões em emendas parlamentares por apoio à reforma da Previdência. O valor, a ser destinado até 2022, teria sido oferecido a cada deputado federal que votasse a favor do projeto no plenário da Câmara. A proposta de Onyx Lorenzoni (DEM) representa um acréscimo de 65% no valor que cada deputado pode manejar no Orçamento de 2019. Uma das promessas de campanha de Jair Bolsonaro (PSL) era dar fim ao “toma lá dá cá”, a troca de apoio por cargos e verbas. (Mercado A17)

Oficiais tentam conter ruído entre Mourão e Bolsonaros
Militares coordenam estratégia para amenizar o desconforto da família de Jair Bolsonaro com Hamilton Mourão. Ontem, Carlos Bolsonaro voltou a atacar o vice em suas redes sociais. Para os oficiais, o ideal seria o presidente declarar que o filho tem direito a opinião, mas que ela não reflete a do pai. (Poder A8)

Seria como ganhar na loteria. Não é simples
Sergio Moro, ministro da Justiça, ao falar sobre a possibilidade de ser indicado ao STF (Poder A10)

Eleitos, policiais usam mandatos em prol da classe
Projetos de lei de policiais eleitos deputados propõem desde a criação de seguro de vida para agentes de segurança até isenção de imposto na compra de armas e veículos. Número de agentes no Legislativo foi de 15 a 51 nas últimas eleições. (Cotidiano B1)

Hélio Schwartsman
Contra as temeridades de Bolsonaro, Mourão é ótimo contraponto (Pág. A2)

Editoriais A2
Intrigas palacianas
Sobre conflito entre ideólogo e o vice-presidente

Forças corporativas
Acerca de distorções do gasto militar brasileiro.


------------------------------------------------------------------------------------


Mídia

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem