\ \



Por Carolina Ruy*

Salta aos olhos os desastres empreendidos e teimosamente insistidos pelo atual governo federal. Concordo também com a frase inicial do texto que diz “Imaginava que o governo Bolsonaro seria ruim, mas nem nos piores pesadelos poderia sonhar que viveríamos esta tragédia”.

Quando a articulista compara o atual presidente trapalhão com outros presidentes do país, entretanto, o texto se perde por completo. Mariliz taxa Getúlio Vargas de autoritário, Juscelino Kubitschek de megalomaníaco e Luís Inácio Lula da Silva de um mito tão falso quanto o eleito em outubro.

Para começar, Getúlio pode ter sido autoritário, sobretudo durante o Estado Novo (1937 a 1945), mas reduzi-lo a isso é, no mínimo um simplismo e uma falta de compreensão política e histórica.

Na presidência, Vargas atravessou o rescaldo da crise de 1929, atravessou toda a 2ª Guerra Mundial e o início da Guerra Fria. Com ele no poder, o Brasil viveu suas mais profundas transformações. Grosso modo, o país deixou de ser predominantemente rural e começou a viver um processo intensivo de urbanização e industrialização, trazendo a reboque mudanças na legislação e na composição do governo que atendiam a esse processo.

Juscelino pode ter sido megalomaníaco, mas isso não nos interessa. O que interessa é que ele conseguiu colocar em prática e realizar sua grande aspiração de crescer 50 anos em 5, aproveitando de forma perspicaz o clima de desenvolvimento econômico que o ocidente vivia na década de 1950. Nem de longe algum deles lembra o despreparado, raso e irresponsável Jair Bolsonaro.

Quanto à Lula… Ora, é um grande cinismo e um grande despeito comparar um presidente que manteve alta popularidade (e não foi à toa) durante todo o período em que se transcorreram seus dois governos, com um nanico do baixo clero que, por um erro de cálculo dos detratores do PT, alcançou o poder, e agora não sabe o que fazer com ele.

Entre 2003 e 2011, conforme relatou a mesma Folha de São Paulo (de 19 de dezembro de 2010) para qual Mariliz escreve, o Brasil viveu um período de crescimento e avanços sociais. O jornal até faz críticas ao crescimento abaixo do esperado de serviços públicos, mas enaltece grandiosos feitos do presidente como a criação de 14 milhões de postos de trabalho com carteira assinada, a ascensão de toda uma classe social, a classe C, a expansão da transferência de renda pelas vias do Bolsa Família e da valorização do salário mínimo, a superação da dívida externa, o alcance à posição de 8ª economia do planeta e um ótimo prestígio internacional. Não é pouca coisa. Não há sinais de que o governo do PSL alcançará resultados como este.

Além disso, Lula não foi uma zebra. Ele tem uma história política construída entre trabalhadores metalúrgicos organizados contra explorações, injustiças e desmandos de determinados patrões e determinadas políticas sanguessugas. Sua eleição em 2003 foi consequência de um amadurecimento dele próprio e de setores da esquerda que, naquele momento, não viram como inimigos setores da sociedade identificados com espectros políticos de centro e de direita, e que se mostravam comprometidos com o Brasil. Foi um governo de composição. Uma evolução natural do governo republicano de Fernando Henrique Cardoso em uma época em que avistávamos um caminho de desenvolvimento, de soberania e de consolidação da democracia. Mesmo assim, seus apoiadores não caem no ridículo de chama-lo de “mito”, como a articulista sugere que ocorre.

Que o governo Bolsonaro apodreceu antes de amadurecer é fato. O que virá adiante é o que deve nos preocupar. Atirar para todos os lados é o caminho mais rápido para atirar no próprio pé.

*Carolina Maria Ruy é jornalista e coordenadora do Centro de Memória Sindical.

Fonte; Rádio Peão Brasil


Portal Vermelho

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem