Reprodução  Noam Chomsky

O filósofo debateu o progressismo e o neoliberalismo ao lado de outros líderes estrangeiros durante seminário internacional da Fundação Perseu Abramo


Noam Chomsky abriu sua apresentação fazendo uma saudação a Lula. “Não posso deixar de notar a ausência da pessoa que seria por direito nosso candidato do Brasil. Conheci Lula há alguns anos, pouco antes de ele assumir o governo. Fiquei impressionado e tenho mantido essa boa impressão”, disse.

O filósofo segue atento às transformações do capitalismo e preocupado com o destino da democracia. De passagem pelo Brasil, o linguista e filósofo de 89 anos debateu o progressismo e o neoliberalismo ao lado de outros líderes estrangeiros durante o seminário internacional da Fundação Perseu Abramo, “Ameaças à Democracia e a Ordem Multipolar“.

Ao final, ele também elogiou a condução do ex-presidente e do chanceler Celso Amorim nas relações exteriores é deixou uma mensagem de esperança aos brasileiros.

“O Brasil viveu o sonho de ser o ‘colosso do sul’ há poucos anos, quando se tornou o país mais respeitável do mundo sob a liderança do presidente Lula e Celso Amorim. Não se deve subestimar os obstáculos, mas também não podemos minimizar a capacidade do espírito humano em superar e prevalecer”.
Crise da democracia

Chomsky apontou que a ascensão recente da direita em democracias com longo histórico progressista (mais recentemente, o parlamento da Suécia elegeu quase metade de candidatos da direita) guarda algumas semelhança com os anos 30. “[A Suécia] reproduziu um padrão dos anos recentes, sob o qual o centro tem decaído é os partidos da extrema-direita ganham terreno.”

Ele também refletiu sobre as consequências da ofensiva neoliberal que domina a economia americana desde o fim dos anos 70, sob a missão de enfraquecer sindicatos e solapar garantias salariais e trabalhistas. “Em termos reais, o salário médio dos trabalhadores tem caídos desde os anos 70, quando começou o avanço neoliberal de [Margaret] Tatcher e [Ronald] Reagan.”

Desde então, avalia, o conservadorismo foi dando lugar a uma ideologia que ignora a segurança social por completo e trata direitos como empecilhos ao avanço econômico. “Antes da crise de 2008, o economista Alan Greenspan era considerado um ‘santo’ e fez muito sucesso dizendo que o crescimento da economia dependeria da crescente insegurança dos trabalhadores” disse. “Mas o que temos são trabalhadores vivendo cada vez pior e amedrontados demais para pedir um aumento.”

“Quando veio a crise de 2008, o congresso aprovou uma legislação em duas partes: vamos resgatar os banqueiros e ajudar as pessoas que haviam perdido suas casas. Para a maior parte da população, ter uma casa é fonte de riqueza. Quando sobe a bolsa, uma parcela muito pequena se beneficia, eles se beneficiam quando sobe o preço de suas casas. É fácil adivinhar qual dessas políticas foram implementadas.”

Chomsky também pontuou o avanço do poder financeiro sobre a política. Ele conta que lobistas, cuja atividade é legalizada no país, chegam até mesmo a redigir os projetos de lei que serão apresentados aos candidatos. Somam-se a isso os empecilhos ao voto dos mais pobres e os financiamento astronômico de campanhas. “É possível prever quem será eleito apenas olhando o volume de financiamento que cada candidato recebeu.”

“No inglês, a palavra lucro virou um palavrão, quando um polĩtico diz que está trabalhando a favor dos empregos, você tem que entender que ele está trabalhando a favor do lucro.”

Por Thais Reis, da Agência PT de notícias

Partido dos Trabalhadores

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem