Os candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede) participam de debate eleitoral promovido pela RedeTV! - 17/08/2018 (Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo)

Nova pesquisa mostra consolidação do cenário em caso de impedimento da candidatura do ex-presidente pela Lei da Ficha Limpa

Por Guilherme Venaglia

A nova pesquisa Ipespe, divulgada a clientes da corretora XP Investimentos nesta sexta-feira 24, mostrou uma repetição dos cenários registrados ao longo desta semana, com o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e a ex-senadora Marina Silva (Rede) ocupando as primeiras posições nas simulações que desconsideram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), inelegível pela Lei da Ficha Limpa, como candidato. Bolsonaro registrou 23% das intenções de voto, enquanto Marina apareceu com 12%.



Com uma margem de erro acima dos padrões usuais – 3,2 pontos porcentuais, para mais ou para menos –, aparecem tecnicamente empatados com Marina pela segunda posição os candidatos Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) com 8% e Fernando Haddad (PT), com 6%. Alvaro Dias (Podemos) registrou 5% das intenções de voto. João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) apareceram com 2%, Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (PSOL) e João Goulart Filho (PPL) registraram 1%. Vera Lúcia (PSTU) e José Maria Eymael (DC) não alcançaram 1%.

Todos os candidatos, no entanto, seguem perdendo para o “não voto”. Brancos, nulos e indecisos somaram 29% no cenário, segundo o levantamento. Todas as oscilações na pesquisa, que é divulgada semanalmente, aconteceram dentro da margem de erro.

‘Apoiado por Lula’

Depois de apresentar essa simulação, a XP/Ipespe propõe outra, em que o ex-prefeito aparece como “Fernando Haddad apoiado por Lula”. Nesse cenário, ele passa de 6% para 13% e supera os demais empatados na segunda posição. Nesse cenário, com um direcionamento maior dos eleitores do ex-presidente, os candidatos que mais caem são Bolsonaro (de 23% para 20%) e Marina (de 12% para 9%), ambos, portanto, com oscilação de três pontos percentuais.


Apesar disso, a pesquisa também registra uma queda no índice de eleitores de Lula que migrariam para Haddad. Antes, eram 44% dos apoiadores do ex-presidente. Nesta semana, são 32%, sem nenhum relevante fato novo que possa explicar a oscilação, ocorrida depois de um período de alta no levantamento anterior. Em contrapartida, cresceu o índice daqueles que passariam a votar nulo (de 25% para 36%).

Em um cenário em que Lula seria autorizado a concorrer, ele lideraria a pesquisa, com 32% das intenções de voto, seguido de Bolsonaro (20%), Ciro Gomes (7%), Alckmin (7%), Marina (7%), Alvaro Dias (4%), João Amoêdo (2%), Cabo Daciolo (1%), Henrique Meirelles (1%). Os demais não pontuam. Brancos, nulos e indecisos somam 18%.

Segundo turno

Em uma particularidade desta pesquisa, feita por telefone, Jair Bolsonaro se sairia melhor no segundo turno do que o registrado no Datafolha, quando ele só se daria melhor contra Fernando Haddad. Nos resultados, Bolsonaro só perderia fora da margem de erro em um embate contra o ex-presidente Lula, por 45% a 33%.

Ele aparece na frente nos confronto contra o ex-prefeito (38% a 32%) e Geraldo Alckmin (34% a 33%), equivalente a Ciro Gomes (ambos com 32%) e derrotado dentro da margem por Marina (37% a 33%). No caso de uma disputa entre Alckmin e Ciro, melhor para o tucano (33% a 28%), mas também dentro da oscilação possível prevista.

VEJA.com

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem