Com índices de intenção de voto na casa de um dígito, a campanha do candidato Geraldo Alckmin entrou em crise. A primeira baixa da equipe foi justamente num dos setores mais críticos na eleição de 2018: as redes sociais



Com índices de intenção de voto na casa de um dígito, a campanha do candidato à presidência Geraldo Alckmin entrou em crise. A primeira baixa da equipe foi justamente num dos setores mais críticos na eleição de 2018: as redes sociais.

O publicitário Marcelo Vitorino, responsável pela área digital,, foi retirado do cargo nesta quinta-feira (23). Tucanos admitem reservadamente que a campanha não consegue encontrar uma narrativa nas redes sociais para “desconstruir” o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, e tornar Alckmin mais palatável. O jornalista Alexandre Inagaki assumirá a coordenação digital da campanha.

“Alckmin está insatisfeito com a ação nas redes sociais e que Vitorino se desentendeu com membros da equipe do marqueteiro Lula Guimarães, segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. Dirigentes de siglas do Centrão – grupo formado por DEM, PP, PR, Solidariedade e PRB – estão incomodados e disseram a Alckmin que a campanha precisa expor contradições de Bolsonaro.”


Para a campanha tucana, “o PT tem uma vaga garantida no segundo turno e que Alckmin é o candidato com mais estrutura e narrativa para disputar com os petistas”. A resiliência de Bolsonaro nas pesquisas, contudo, causa apreensão no comitê de Alckmin.

A equipe do PSDB ainda testa fórmulas para atacar Bolsonaro. A ideia é usar parte das inserções diárias que o PSDB tem direito na TV para confrontar o candidato do PSL. A “dose” pode aumentar, conforme o resultado.  Parte do entorno de Alckmin defende que ele adote tom mais agressivo contra Bolsonaro, mas outra corrente pensa que o ideal é preservá-lo e usar apenas a TV para a ‘propaganda negativa’.”


Revista Fórum

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem