A rodada de pesquisas eleitorais desta semana é a demonstração cabal de que o golpe de 2016, que na primeira etapa derrubou a presidente Dilma Rousseff sem crime de responsabilidade e na segunda prendeu o ex-presidente Lula para impedi-lo de disputar as eleições, deu errado. Nos levantamentos dos três institutos, CNT/MDA, Ibope e Datafolha, fica claro que o povo brasileiro não comprou a história vendida pelos meios de comunicação hegemônicos e quer de volta o Brasil que tinha até recentemente. Nas duas primeiras sondagens, Lula alcançou 37% dos votos. Na terceira, cravou 39%. Em todas elas, o ex-presidente ficou muito perto de atingir o percentual necessário para vencer em primeiro turno.


Se isso não bastasse, Lula tem viés de alta e vem crescendo a cada dia em que prossegue o seu cativeiro. Num país presidido por Michel Temer e em que Aécio Neves é candidato, as pessoas se perguntam: por que Lula? Era mesmo contra a corrupção ou a finalidade era simplesmente permitir a volta do projeto tucano, inviável na urna, ao poder? Essa mesma percepção chega ao mundo civilizado, onde lideranças de vários países já se dão conta de que Lula é vitima de um processo claramente político. Não por acaso, o Comitê de Direitos Humanos da ONU determinou ao Brasil que os seus direitos sejam preservados.

O que as pesquisas também demonstram, de forma cristalina, é que o golpe de 2016 não se reproduz no voto. Michel Temer é o político mais rejeitado da história do Brasil e o ex-governador Geraldo Alckmin não decola porque a população percebe que, na prática, está sendo governada pelo PSDB. Segundo o Datafolha, nada menos que 31% dos brasileiros se dizem dispostos a votar em quem Lula indicar. Outros 18% podem vir a votar. Portanto, caso Lula seja mesmo impedido, confirmando a nova etapa do golpe, Haddad partirá de um piso de 31% e poderá chegar a 49%. Basta que os brasileiros saibam que ele é o escolhido por Lula.


Nos últimos quatro anos, esse processo de autodestruição nacional, deflagrado pelo PSDB, já quebrou todas as construtoras brasileiras, mais do que dobrou a taxa de desemprego e enfraqueceu a burguesia nacional. Não fosse o bastante, a credibilidade de todas as instituições foi jogada no lixo, diante da percepção de que se está diante de um 'golpe com Supremo, com tudo', como profetizou o senador Romero Jucá (MDB-RR). A última etapa da tragédia pode vir a ser a transformação do Brasil em pária internacional, ou numa autêntica republiqueta bananeira, caso autoridades nacionais insistam em desafiar a ONU.

Para que tudo isso? Para nada. As pesquisas deixam claro que, se o Brasil tiver um processo eleitoral democrático, que respeite a soberania popular, o próximo presidente será Luiz Inácio Lula da Silva. Se tivermos uma eleição capenga, com seu impedimento artificial, o presidente será Fernando Haddad. Ou dá Lula, ou dá Haddad. Os golpistas perderam.


Brasil 247

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem