Proposta contém diversas informações e análises profundas sobre um vasto leque de questões relacionadas ao sistema tributário brasileiro, além de indicar 8 diretrizes para a reforma solidária, com o foco na retomada do desenvolvimento

Os impostos que todos pagamos financiam: as políticas sociais relativas à saúde, educação, assistência social, previdência, segurança, entre tantas outras; os investimentos públicos na infraestrutura econômica e produtiva, como estradas, ferrovias, portos, aeroportos, energia, rede de internet; os gastos das prefeituras, dos governos dos estados e da União, do Legislativo e do Judiciário; a estruturação de empresas; e a prestação de todos os serviços públicos.


Os impostos são gerados a partir das atividades produtivas e do consumo, dos salários recebidos pelos trabalhadores, dos lucros auferidos pelas empresas, da renda dos empresários e dos demais rendimentos. Impostos são recolhidos com base na propriedade, na compra e venda de bens (casa, automóvel etc.), no uso de serviços e na transmissão de herança ou alienação de patrimônio.

Para que ocorra o recolhimento dos impostos, se definem regras – quem paga, quanto, sobre que fato gerador: salário, lucro, compra, venda, herança – e se organiza a estrutura do sistema tributário. A história mostra que os diversos países montaram diferentes sistemas tributários, que se caracterizam, basicamente, por serem progressivos – nos quais os ricos pagam mais impostos que os pobres – ou regressivos, nos quais os pobres pagam mais impostos que os ricos.

O Brasil é o caso de um país profundamente desigual com um sistema tributário altamente regressivo. A compreensão das causas estruturais dessa situação é fundamental para a reflexão sobre as transformações econômicas e sociais necessárias para recolocar o país em uma trajetória de desenvolvimento.

Uma iniciativa muito importante da ANFIP – Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil e da FENAFISCO – Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, que contou com a colaboração do DIEESE, resultou na produção de um amplo e profundo estudo sobre o sistema tributário brasileiro. O estudo completo, que mobilizou mais de 40 especialistas coordenados pelo economista Eduardo Fagnani, está integralmente disponível (leia AQUI).


O trabalho contém diversas informações e análises profundas sobre um vasto leque de questões relacionadas ao sistema tributário brasileiro, além de indicar oito diretrizes para uma reforma tributária solidária, que deve:

– Ser pensada na perspectiva do desenvolvimento;

– Ser adequada ao propósito de fortalecer o Estado de bem-estar social em função do seu potencial como instrumento de redução das desigualdades sociais e promotor do desenvolvimento nacional;

– Avançar no sentido de promover a sua progressividade pela ampliação da tributação direta;

– Avançar no sentido de promover a sua progressividade pela redução da tributação indireta;

– Reestabelecer as bases do equilíbrio federativo;

– Considerar a tributação ambiental;

– Aperfeiçoar a tributação sobre o comércio internacional;

– Fomentar ações que resultem no aumento das receitas, sem aumentar a carga tributária.

Essas diretrizes foram desdobradas em propostas trabalhadas pelos especialistas e divulgadas pelas entidades durante este mês de agosto. Trata-se de um primoroso trabalho que subsidiará o processo eleitoral em curso, no qual, espera-se, a nação eleja candidatos compromissados com a reforma tributária solidária, transformação necessária para promover o nosso desenvolvimento.

Leia a íntegra do estudo AQUI.

Crédito da imagem inicial: Anfip

Brasil Debate

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem