Próxima secretária de governo, Olga Sánchez Cordero, disse que medida significaria passo para pacificar a nação

LUCAS ESTANISLAU

O governo do novo presidente mexicano, And´rés Manuel López Obrador, anunciou que buscará apoio internacional junto à ONU para propor a descriminalização da maconha e da papoula no país.

A declaração foi feita pela próxima secretária de governo do México, Olga Sánchez

Cordero, na quarta-feira (22/08).

Cordero, que se tornará a próxima na linha de sucessão

presidencial no governo de López Obrador, disse que a medida

significaria um passo para pacificar a nação. “Temos que avançar juntos com a ONU; é uma pauta

interpretativa que podemos levas às Nações Unidas para poder flexibilizar um

tratado tão rígido como o que temos em vigor, dos anos 1970, em matéria de

penalização e combate às drogas”, disse.


A ministra ainda afirmou que não se trata de legalização, “mas descriminalização”, e chamou a atenção para a quantidade de homicídios gerada pelo narcotráfico. Cordero falou sobre a necessidade de se retirar gradualmente atribuições das forças armadas na área de segurança pública, que estariam envolvidas em violações de direitos humanos.


A futura secretária de Governo mexicana afirmou que a descriminalização começaria com a maconha e, logo após, passariam para a papoula, que dá

origem a drogas opiáceas como morfina e heroína. Neste último caso, a despenalização seria somente para fins medicinais.

Sobre o tráfico de drogas e seus efeitos, Cordero afirmou

que "o México pode apenas confiscar entre 3% a 8% da droga que passa pelo nosso país. El Salvador, por exemplo, tem uma taxa de 120 homicídios para cada 100 mil habitantes, precisamente pelo tráfico de drogas, e os EUA não chegam a confiscar mais de 8%".


“Uma coisa é o crime, outra é o crime organizado, que é transnacional. Acreditamos que devemos ter uma colaboração e cooperação

regional para fazer uma frente comum. Como podemos dar conta de um crime

organizado que lava dinheiro em nosso país, lava dinheiro nos Estados Unidos e

tem rotas muito claras da América Central até os EUA?”, afirmou.


Reprodução López Obrador tem adotado um discurso pacificador com relação ao narcotráfico

Pacificação


Ainda durante a campanha, o novo presidente mexicano propunha medidas alternativas para diminuir os índices de violência ligada ao narcotráfico. Estima-se que existam mais de 130 cartéis de drogas ativos no país.

Segundo dados da Secretaria Executiva de Governo do atual presidente, Enrique Peña Nieto, o número de homicídios ligados ao narcotráfico bateu recorde no ano de 2017. Foram 25.339 mortes entre janeiro e dezembro, uma média de 70 por dia, superando o ano de 2011, até então registrado como o mais violento da história, com 22.409.

Peña Neto havia proposto em 2016 a elevação da quantidade mínima de posse de drogas e liberação para uso terapêuticos, mas a medida não foi aprovada pelo Legislativo.

Também durante a campanha, López Obrador propôs a realização de foros e encontros em várias regionais do país para se discutir os problemas da violência gerada pelo narcotráfico. Outra proposta foi a criação de comissões da verdade para investigar e solucionar alguns dos casos mais graves de violação de direitos humanos.


Opera Mundi

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem