Diante da fragilidade do Executivo e, sobretudo, do Legislativo, o ativismo da República dos Magistrados continua a pleno vapor. Embora sua função precípua seja equacionar conflitos, o Judiciário prossegue na senda da politização da Justiça.

Sufetas já decidiram legislar sobre aborto, abonar despesas trabalhistas bilionárias e até mesmo determinar que o Legislativo não tem autonomia para legislar. Afora livrar meliantes do erário das masmorras de Cardozo.

Folheando os matutinos desta quinta, 23, encontram-se duas outras novidades.

“Efeito externo”

Partiu do juiz Marco Aurélio Mello, do STF, cogitar a possibilidade de anular a candidatura do capitão da reserva Jair Bolsonaro (PSL). Já o STJ, em que pese a insolvência das previdências públicas, resolveu criar nova fonte de despesa.





Ministro Marco Aurélio Mello



Para Marco Aurélio, que diz não estar preocupado com o “efeito externo” de suas decisões, é questão “aberta” a possibilidade de um réu assumir a Presidência da República. Bolsonaro já é réu em dois processos na Corte Suprema, portanto corre risco de se tornar inelegível.

“Verdade que nos últimos quatro anos

o inédito virou rotina.

Ou, de um outro ponto de vista,

a rotina institucional virou fato inédito”
.


Caso se confirmem os prognósticos de que a Justiça afastará o ex-presidente Lula do páreo eleitoral e Bolsonaro também seja impedido de concorrer, poderemos ter novo ineditismo em terras brasilianas. Campeão e vice nas sondagens eleitorais estariam, assim, excluídos da eleição.

Verdade que nos últimos quatro anos o inédito virou rotina. Ou, de um outro ponto de vista, a rotina institucional virou fato inédito.

Pode-se argumentar que os juízes não têm culpa do baixo nível de nossos políticos. Na verdade, a culpa é dos eleitores, mas isto é outra conversa.

Porém, é indiscutível que os juízes estariam ceifando a vontade do eleitor. De acordo como o Datafolha, a dupla Lula-Bolsonaro detém 58% das intenções de voto nas pesquisas estimuladas.

Noves fora o azedume e a descrença de mais de metade do eleitorado com todos os políticos. Por este parâmetro, grosso modo, os 58% se transformam em cerca de 30% do total de eleitores.

Enfim, se réus e presidiários são inelegíveis, que a decisão venha célere. Do contrário, é colocar mais lenha na fogueira.

Autoindulgência

Ao mesmo tempo em que legisla no lugar do Legislativo, o Judiciário delibera pelo Executivo. A 1ª Seção do STJ decidiu que cabe “acréscimo de 25% em todas as modalidades de aposentadoria pagas pelo INSS” para aqueles que dependam de cuidadores.





Plenário do Supremo



Numa população majoritariamente pobre e cada vez mais velha, a benesse dos juízes do STJ parece justa. E é.

Ocorre que a elasticidade do erário não é infinita. Num efeito perverso e oposto à presumida intenção benigna da sentença, ao romper-se, este elástico ricocheteia justamente sobre os mais carentes.

O Governo calcula em R$ 3,5 bilhões o “impacto financeiro” da medida. Caso a indulgência com os velhinhos seja autêntica, a magistratura poderia abrir mão da autoindulgência e dedicar aos desvalidos do INSS o bilionário aumento de salários que pleiteia para si.

Mas, como pontificou o juiz Marco Aurélio, os juízes não estão preocupados com o “efeito externo” de suas decisões.



Os Divergentes

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem