Tomaz Silva/Agência Brasil  O ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, durante evento das Forças Armadas

Marcio Dolzan
Rio
  O ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, afirmou neste sábado (25) que considera importante que a intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio seja mantida até 31 de dezembro, como está previsto.

O ministro defendeu a intervenção, com o objetivo de reorganizar a política de segurança pública do Rio. Nesta semana, três militares morreram durante operação das Forças Armadas na região.

"A operação de garantia da lei e da ordem, que está dando corpo às atividades, está prevista para ser encerrada em 31 de dezembro. Entendemos que o planejamento feito pelo interventor considera isso. Considero que deva terminar no dia 31, que não seja antecipada nem tampouco postergada", afirmou Silva e Luna, em visita ao porta-helicópteros multipropósito Atlântico, maior navio da esquadra brasileira, que chegou neste sábado ao Rio.

Segundo o ministro, a situação de caos vista na época do Carnaval passado já não ocorre mais.

Essa situação está superada já. Nosso pessoal que estava empregado em UPP (Unidades de Polícia Pacificadora), que não era tão importante, já foi retirado dessas missões, já passaram a integrar companhias. O pessoal fez um treinamento, recebeu armamento e munição. Começou a produzir resultados
Joaquim Silva e Luna, ministro da Defesa

O objetivo da intervenção federal, disse o ministro, é reorganizar a política de segurança pública do governo fluminense. "A grande missão dessa intervenção é entregar para o Rio de Janeiro no fim do ano uma polícia, ou um sistema de segurança pública, melhor organizado. Com armamento, equipamentos, treinamento e uma doutrina", afirmou Silva e Luna.



UOL Notícias

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem