Crédito: Dida Sampaio / Estadão.

Por Miguel do Rosário

Em junho, o percentual de entrevistados que responderiam que não votariam “de jeito nenhum” em Lula entre eleitores com ensino superior era de 45%, e o de Bolsonaro, de 38%.

Passados três meses a situação se inverteu: a rejeição a Lula entre os mais instruídos continua alta, mas caiu 4 pontos, para 41%, enquanto que a de Bolsonaro subiu 7 pontos, para 45%.

Entre eleitores com renda familiar acima de 5 salários, a rejeição a Lula ao final de junho, segundo o mesmo Ibope, era de realmente perigosa, 53%. Bolsonaro era rejeitado, no mesmo segmento, por 34%. Na pesquisa de agora, a rejeição de Lula entre este mesmo eleitorado caiu cinco pontos, ficando em 48%, número que é, todavia, ainda preocupante. Bolsonaro, por sua vez, viu sua rejeição aumentar para 37% entre eleitores com renda familiar acima de 5 salários, cinco pontos de aumento sobre a pesquisa anterior.

É importante analisar, portanto, a dinâmica do processo: a rejeição a Lula está caindo, apesar de ainda ser muito alta, ao passo que a de Bolsonaro está subindo rapidamente.

É interessante (e preocupante) notar ainda que Fernando Haddad experimentou um salto de rejeição entre eleitores que ganham mais de 5 salários, naturalmente como resultado da perpepção de que pode ser ele o candidato do PT: em junho, a rejeição desse segmento a Haddad era de apenas 14%, típica de nomes “inofensivos”; hoje pulou para 26%, similar à rejeição de candidatos mais conhecidos, como Geraldo Alckmin (28%) e Ciro Gomes (24%).

Um certo grau de rejeição, contudo, não é negativo. Ao contrário, candidatos competitivos sempre tem índices de rejeição beirando os 30%, pois isso espelha o sentimento dos eleitores dos candidatos concorrentes.

Na média, Lula tem rejeição de 30%, contra 37% de Bolsonaro. É um tanto irônico que o candidato preso, condenado, açoitado dia e noite pela grande mídia, tenha menos rejeição que Bolsonaro… Em junho, Lula tinha 31% de rejeição média, e Bolsonaro 32%.

O pior desempenho de Lula é no Sudeste, onde ele tem rejeição de 37%, tendo oscilado um ponto para baixo em relação à junho. A rejeição a Lula no Sul, por sua vez, caiu 7 pontos: era de 43% em junho e está 36% agora. Bolsonaro viu sua rejeição explodir no Sul: esta era de apenas 27% em junho, e agora é de 39%, um aumento de 12 pontos! No Nordeste, a rejeição a Bolsonaro é de 46%.




O Cafezinho

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem