© AP Photo / Elizabeth Dalziel, File


A China incluiu a América Latina no projeto de investimentos e intercâmbios econômicos.

O projeto comercial chinês, denominado Um Cinturão, Uma Rota, visa criar uma conexão entre Europa, Ásia Central, Oriental e Meridional, Oriente Médio e também a América Latina, segundo o artigo publicado no RT.

Esteban Zottele e Wei Qian, pesquisadores do Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Changzhou, observaram que essa iniciativa visa consolidar "um círculo virtuoso entre a China e os países da região".

Relacionamento preferencial


Segundo o analista de assuntos internacionais, José Antonio Egido, a América Latina ocupa um lugar preferencial em relação aos "planos estratégicos de desenvolvimento econômico da China".

"Não só pelos recursos naturais e matérias-primas, mas porque é uma área de alianças políticas com os países que estão na mesma situação que a China antes de sua revolução", acrescentou.

O programa estratégico chinês foi lançado em novembro de 2016, logo depois da vitória eleitoral de Donald Trump e abrange diversos aspectos econômicos, comerciais, de infraestrutura, cooperação estatual, segurança e até aeroespacial para a América Latina e Caribe.

A rota


A cooperação que inclui a América Latina e Caribe é parte da expansão do plano de estabelecer uma Faixa Econômica da Rota da Seda proposto pelo presidente chinês Xi Jinping em setembro de 2013.

A expectativa do governo da China é que a rota já esteja em estágio operacional até 2049, quando se completam 100 anos da fundação da República Popular da China.

Contribuições


Além dos investimentos econômicos oferecidos para modernizar a infraestrutura de transporte e a interconectividade regional, o governo chinês também pretende gerar melhor distribuição de renda, redução da pobreza e da criminalidade, aumento do emprego e uma nova distribuição das economias dos países envolvidos.

Passo a passo


Desde 2014, alguns meses depois do anúncio do projeto comercial, o governo de Xi Jinping estabeleceu o Fundo da Rota e, em 2016, fundou o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, sigla em inglês) – uma instituição bancária aderida por 57 países, incluindo Brasil, Bolívia, Chile, Peru e Venezuela.

O volume comercial entre a China e a América Latina aumentou em mais de 20 na última década, chegando a US$ 236,5 bilhões em 2015.

Apenas comércio


A inclusão da América Latina neste projeto esbarra nos interesses dos Estados Unidos, que considera a região como sendo seu quintal.

Segundo a jornalista e escritora argentina Telma Luzzani, o interesse principal da China é fazer "bons negócios, prover-se com recursos naturais e minerais que a região tem e eles precisam".

Quem domina na região?


Luzzani observa que os militares norte-americanos se empenham em deixar claro que os EUA têm "o objetivo de expulsar a China da região". Um sinal disso foi a recente turnê do secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, a países da América Latina.

Ela explicou que os Estados Unidos apelam para o velho discurso de que "compartilham os mesmos valores democráticos da América Latina, enquanto a China e a Rússia não".

O fato é que o projeto chinês está ganhando a adesão de países latino-americanos porque, segundo José Antonio Egido, a "China oferece aos governos a oportunidade de obter financiamento sem os endividamentos que envolvem condições tradicionais do Fundo Monetário Internacional".

"Sem dúvida, que a China vai lutar por esse espaço comercial", conclui Telma Luzzani.

Sputnik Brasil

Faça um comentário

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;

Postagem Anterior Próxima Postagem