26 de fevereiro de 2018 | Clipping





O Globo




Manchete: Policiais são os maiores acusados de corrupção no Rio
Em cada dez denunciados no estado, dois são ou foram agentes da lei

De 5.219 acusados pelo Grupo de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público, 1.030 (20%) eram servidores públicos da área

ELENILCE BOTTARI E JULIANA CASTRO

Em cada dez denunciados no estado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) por casos relacionados à corrupção, dois são policiais ou ex-policiais. Criado em 2010 pelo Ministério Público Estadual do Rio, o grupo de promotores já apresentou até hoje 5.219 denúncias à Justiça, das quais 1.030 (20%) foram contra funcionários estaduais que estão ou já passaram pela área da segurança pública, fazendo deles a maior categoria profissional investigada. Em oito anos de atuação, foram 826 processos somente contra PMs e ex-PMs e 158 contra policiais civis e ex-policiais civis. Um dos focos da intervenção federal no estado são desvios de conduta de agentes da lei. (PÁGINA 6)



Cúpula da Segurança será trocada no Rio
Os nomes dos novos chefes da PM e da Polícia Civil saem esta semana, provavelmente de quadros internos. O governo federal cria hoje o Ministério da Segurança Pública. (PÁGINA 7)

DEMÉTRIO MAGNOLI

Segregação

Continua-se a fingir que o morro é um mundo à parte. (PÁGINA 13)

RICARDO RANGEL

Contradição

Esquerda agora critica a intervenção, mas nada propõe para o curto prazo. (PÁGINA 2)

MARINA CARUSO

Entrevista
PM Flavia Louzada defende a intervenção e ataca Pezão. (SEGUNDO CADERNO)



Cidade italiana cancela cidadania de mais de mil brasileiros após fraude
A pequena Ospedaletto Lodigiano desmantelou um esquema que falsificava a residência de brasileiros em busca de cidadania, após ver sua população quase dobrar da noite para o dia. (PÁGINA 20)


Sem novos leilões, produção de petróleo em terra encolhe 40%
A produção de petróleo em terra caiu 40% em 20 anos com a falta de leilões. A expectativa é de retomada com a venda de campos da Petrobras e ações da ANP para atrair investidores. (PÁGINA 15)


Juízes requisitados por STF acumulam diárias e auxílio-moradia
Juízes requisitados pelo Supremo Tribunal Federal recebem auxílio-moradia em seus estados e, ao serem transferidos para Brasília, acumulam o benefício com diárias. (PÁGINA 3)


------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo




Manchete: Plano de segurança lançado há um ano não saiu do papel
Para Ministério da Justiça, houve avanços no setor, mas proposta deve passar por revisão e aperfeiçoamento

No momento em que o governo federal promove uma intervenção no Rio de Janeiro e anuncia a criação do Ministério da Segurança, o primeiro plano oficial para o setor completa um ano com poucos resultados visíveis. Por meio da Lei de Acesso à Informação, o Estado checou a evolução de dez das principais metas do Plano Nacional de Segurança, lançado em janeiro de 2017. Destas, o governo diz ter cumprido uma – a produção de estatísticas para medir ações da polícia judiciária. A maioria das propostas, como a redução de 15% na lotação dos presídios, praticamente não saiu do papel. Outras metas foram abandonadas ou reformuladas. O Ministério da Justiça vê avanços, mas fala em revisão e aperfeiçoamento do plano. “Quando foi lançado, já parecia uma colcha de retalhos com baixas chances de execução”, diz Sérgio Adorno, coordenador científico do Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP. (METRÓPOLE / PÁG. A11)



Raul Jungmann será ministro da Segurança
O presidente Michel Temer escolheu Raul Jungmann para o Ministério da Segurança Pública, que será criado por decreto, informa Andreza Matais. O anúncio será feito hoje. (PÁG. A11)


Presidente do TST propõe troca de ‘penduricalhos’
O ministro Ives Gandra Martins Filho, que deixa hoje o cargo de presidente do Tribunal Superior do Trabalho, propõe a troca dos chamados “penduricalhos” do Judiciário, benefícios aos quais os magistrados têm direito, como o auxílio-moradia, por um valor único pago como adicional por tempo de serviço. O mecanismo aumentaria o rendimento dos magistrados em 5% a cada cinco anos. Segundo Ives Gandra, o tema já foi tratado com STF, governo e Congresso. (POLÍTICA / PÁG. A4)


Cresce apoio à destituição do conselho da BRF
Após oficializarem a intenção de destituir todos os integrantes do conselho de administração da BRF, incluindo seu presidente, o empresário Abilio Diniz, os fundos de pensão da Petrobrás (Petros) e do Banco do Brasil (Previ) conseguiram obter o apoio de mais dois acionistas relevantes da companhia para levar a proposta adiante. (PÁG. B1)


Foto-legenda: Vacinação da febre amarela vai às ruas
Agentes de saúde da Prefeitura de São Paulo percorrem ruas, casas e bares do bairro Pirituba, zona norte da capital, em busca de moradores para a vacinação contra a febre amarela, informa Paula Felix. A cobertura vacinal no município chegou a 17% em janeiro, índice considerado baixo pelas autoridades estaduais de Saúde. (METRÓPOLE / PÁG. A13)


Mercado livre de energia atrai mais investidores (ECONOMIA / PÁG. B3)


Cida Damasco
Presidente Michel Temer e ministro Henrique Meirelles, da Fazenda, disputam paternidade da economia que “deu certo”. (ECONOMIA / PÁG. B3)


Notas & Informações
Por que as reformas não avançam?

É frustrante perceber que é possível se chegar a uma cabal demonstração da necessidade de se realizar a reforma da Previdência e mesmo assim ela não ser aprovada no Congresso. (PÁG. A3)

O avanço das comunicações

Tem sido notável o número de domicílios brasileiros com acesso à internet. (PÁG. A3)



------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo




Manchete: China acaba com limite a mandato de presidente
Pela proposta, líder Xi poderá ficar à frente da ditadura indefinidamente

O Partido Comunista Chinês propôs o fim do limite de uma reeleição para presidente e vice no país, pavimentando o caminho para que o líder Xi Jinping permaneça indefinidamente à frente da ditadura. A proposta ainda precisa ser referendada pelo Parlamento, o que é apenas uma formalidade burocrática. Escolhido pelo partido para liderar 0 país pela primeira vez em 2012, Xi, 64, será reeleito no próximo dia 5. No congresso de 2017 da agremiação, ao não indicar um sucessor, o presidente já demonstrava que procuraria manter-se líder da nação mais populosa do mundo. A limitação de uma reeleição valeu para os dois antecessores de Xi e visava coibir ímpetos personalistas, como os que marcaram os anos do fundador do regime de partido único, Mao Tsêtung, que governou de 1949 até sua morte, em 1976. O cargo de presidente é simbólico, já que quem comanda o país é o secretário-geral do PC. Desde os anos 90, a praxe é de que eles sejam a mesma pessoa e, embora não haja mandato na chefia partidária, o termo usual é de dez anos. (Mundo A8)

ANÁLISE

Decisão de tomar presidente um ‘imperador vermelho’ traz desafio ao Ocidente, inclusive para o Brasil, escreve Igor Gielow (A8)



Policial do Rio é proibido de levar arma da PM para casa
Policiais militares do Rio não podem levar a arma da corporação para casa. Desde 2017,152 PMs fluminenses foram mortos, a maioria durante folga. A área de segurança do Estado está sob intervenção federal. A PM diz que precisa ter reserva de armamentos para lidar com crises. Ela também parcela a compra de armas particulares. (Cotidiano B1)


Fundos pedem saída de Abílio de conselho da BRF
Os fundos de pensão Petros e Previ requisitaram em carta a destituição do Conselho de Administração da BRF, presidido desde 2013 pelo empresário Abilio Diniz. Eles estão insatisfeitos com a gestão da empresa, que registrou R$ 1,1 bilhão de prejuízo em 2017. Abilio não comentou. (Mercado A15)


Pacote contra corrupção para no Congresso
O pacote de iniciativas legislativas para combater a corrupção elaborado pela equipe da Operação Lava Jato e entregue ao Congresso Nacional em 2016 está parado e com remotas chances de sair do papel neste ano. As “dez medidas contra a corrupção”, com itens polêmicos, foram desfiguradas na Câmara e esperam análise no Senado. (Poder A4)


Eletrobras não tem como competir, afirma ministro
ENTREVISTA DA 2ª - FERNANDO COELHO FILHO

o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, 33, tenta negociar no Congresso a privatização da Eletrobras, dois meses antes de deixar O cargo para disputar a reeleição como deputado. “A Eletrobras não pode estar mais a serviço de mau uso político.” (PÁg. A12)



Editoriais
Leia “Fantasma de volta” , sobre contas secretas associadas a apontado como operador do PSDB, e “Qual autonomia” , acerca de proposta para o BC. (Opinião A2)