A tragédia da ditadura e a maluquice dos intervencionistas


Por Emílio Rodriguez e Guilherme Silva Foto Vangli Figueiredo Andar com uma bandeira do Brasil não te faz patriota, pois defender o Brasil é lutar para preservar nossas riquezas, nosso...



Foto Vangli Figueiredo

Por Emílio Rodriguez e Guilherme Silva

Andar com uma bandeira do Brasil não te faz patriota, pois defender o Brasil é lutar para preservar nossas riquezas, nosso patrimônio, lutar contra a privatização, lutar pela redução da desigualdade entre os brasileiros e por uma vida digna para todos.




Há dois anos os intervencionistas estavam nas ruas pedindo a subida de Temer ao poder e agora dizem na maior cara de pau que querem limpar o país da corrupção. Eles são responsáveis pelo golpe , pela destruição de direitos do povo, venda do nosso patrimônio, aumento da desigualdade, ou seja, pela destruição de nosso país.

E até o comandante do exercito já classificou os intervencionistas como malucos. E recentemente um dos líderes dos caminhoneiros afirmou que os grevistas estão furiosos com os que defendem estas ideias.




A volta a ditadura militar seria condenar milhares a morte, tal como documentos recentes mostram que o Estado mandou matar brasileiros pelo crime de defender a democracia. Homens e mulheres de bem foram perseguidos, mortos, famílias foram destruídas.

A corrupção como mostram documentos históricos rolava solta e havia censura na imprensa que impedia a publicação destes escândalos. Tudo era abafado e a Rede Globo dizia para o povo que este era o país das mil maravilhas. E a dívida atual do Brasil é em grande medida responsabilidade da ditadura que financiou inúmeras obras faraônicas que fizeram a festa dos “amigos”.

Estas manifestações pela intervenção militar são crime previsto na Constituição, mas a polícia e a “justiça” neste país fingem não ver. Já imaginou se um movimento de esquerda começar a defender a guerrilha e o levante armado, aí com certeza seriam presos.


Jornalistas Livres