Após quatro dias de manifestações violentas, com dezenas de mortos e feridos, presidente nicaraguense cancela planos de reforma do sistema previdenciário que aumentaria contribuições e reduziria benefícios.



Daniel Ortega acusa forças externas de instigarem manifestações violentas


O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, concordou neste domingo (22/04) em anular uma reforma altamente controvertida das leis de previdência do país, que desencadeou quatro dias de violência, deixando no mínimo 24 mortos e dezenas de feridos.

Conversando com líderes econômicos, Ortega declarou que o Instituto de Seguridade Social da Nicarágua decidira retirar a reforma que teria o valor das contribuições e diminuindo as aposentadorias, num esforço para frear o déficit nacional crescente.

Quatro dias de protestos violentos


As manifestações dos últimos dias tiveram como alvo os planos do governo Ortega de reformar o sistema previdenciário. Neste sábado, o presidente quebrara o silêncio que tinha mantido desde o início das manifestações, afirmando estar aberto a dialogar sobre as planejadas reformas.

"O governo está totalmente de acordo em retomar o diálogo pela paz, pela estabilidade, pelo trabalho, para que o nosso país não enfrente o terror que estamos a viver neste momento", afirmou na televisão nacional. O diálogo, no entanto, seria apenas com lideranças do setor privado, e não com outras parcelas da sociedade, disse.


Protestos que partiram de Manágua custaram pelo meno 27 vidas

O presidente afirmou que as manifestações foram apoiadas por grupos políticos que se opõem a seu Executivo e são financiados por organizações extremistas dos Estados Unidos, sem adiantar ou identificar os movimentos.

Seu objetivo, prosseguiu Ortega, é "semear o terror, semear a insegurança e destruir a imagem da Nicarágua", depois de 11 anos de paz em seu governo. Após o discurso, centenas de jovens envolveram-se novamente em confrontos violentos com a polícia na capital.

As manifestações tiveram início na última quarta-feira na capital do país, Manágua, e em León, espalhando-se para outras regiões do país. Os protestos endureceram na sexta-feira, com confrontos com a polícia e danos em edifícios governamentais em Manágua e outras cidades. Na véspera, quatro canais de televisão independentes haviam sido impedidos pelo Executivo de fazer a cobertura das manifestações.

AV/afp,rtr,ap,lusa


DW

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

Recomendamos para você

Minha lista de blogs