EFE/EPA/ERIK S. LESSER

A polêmica marcha "Unir à direita" concentra neste sábado centenas de supremacistas brancos em Charlottesville (Virgínia, Estados Unidos), em protesto pela retirada de uma estátua em homenagem ao general confederado Robert E. Lee, e depois da ocorrência de confrontos violentos na véspera.

Um grupo dos manifestantes foi na noite desta sexta-feira ao campus da Universidade de Virgínia, com sede em Charlottesville, com tochas para celebrar a decisão de um juiz federal de permitir a manifestação de hoje, o que gerou choques violentos com estudantes, o que requereu a intervenção da polícia.

Com cântico de "Vidas dos brancos importam", os manifestantes se concentraram hoje em frente a uma estátua de Thomas Jefferson, um dos pais fundadores dos EUA.

Jason Kessler, organizador da marcha, destacou em um comunicado que se trata de defender a Primeira Emenda da Constituição, que protege a liberdade de expressão, e respaldar os "grandes homens brancos que estão sendo difamados, caluniados e derrubados nos EUA".

Entre manifestantes e opositores, a expectativa é que se reúnam na pequena cidade, 300 quilômetros ao sudoeste de Washington, mais de 2.000 pessoas no que é descrito como "o maior encontro de ódio em décadas nos EUA", segundo o Southern Poverty Law Center, uma instituição que investiga grupos que fomentam a violência racial.

Perante os previsíveis enfrentamentos, mais de 1.000 agentes de segurança estatal estão preparados, e o governador do estado, o democrata Terry McAuliffe, pediu aos cidadãos que se mantenham afastados do protesto.


Agencia EFE
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: