O povo norte-coreano cresce no medo do "agressor imperialista". A propaganda funciona, baseada em fatos sangrentos da Guerra da Coreia que o Ocidente preferiu esquecer, e agora reforçada pela retórica belicista de Trump.

Soldado comunista esmaga o Capitólio, em cartaz de propaganda de Pyongyang

Na Coreia do Norte pode faltar muita coisa, mas há algo que o país tem: uma maquinaria de propaganda eficaz. Já desde o jardim-de-infância e os livros escolares, é alimentado o ódio aos Estados Unidos, associado ao medo do "agressor imperialista".

A propaganda oficial tem a vantagem de poder se basear na experiência coletiva da Guerra da Coreia. Esse conflito marca o quotidiano e a visão de mundo de muitos norte-coreanos. Até porque ele não está encerrado: não houve um acordo de paz, e há mais de seis décadas vigora apenas um armistício entre as duas Coreias.

Cabe lembrar que o próprio Norte foi quem iniciou essa guerra quando, em 25 de junho de 1950, tropas norte-coreanas atravessaram o Paralelo 38 N. Através das armas, Pyongyang queria forçar a reunificação da península dividida desde o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

No entanto, quando o presidente americano Donald Trump promete agora ao país asiático "fogo e fúria" e ainda reforça, acenando com "um evento como ninguém viu antes", tais ameaças confirmam tanto a narrativa de Pyongyang quanto a vivência histórica.

E quando o secretário da Defesa dos EUA, James Mattis, adverte a liderança norte-coreana contra a "destruição de seu próprio povo", o tão bem preservado trauma nacional volta à tona. Pois os norte-coreanos já sofreram exterminação – entre 1950 e 1953.

Refugiados em Pyongyang bombardeada, durante a Guerra da Coreia

Três anos de destruição


Por três anos a fio, o país foi bombardeado em massa por aviões de combate dos Estados Unidos – sem qualquer consideração pela população civil, como escreve o historiógrafo americano Bruce Cumings, que qualifica o procedimento como crime de guerra.

Nesse período lançaram-se mais bombas e mais napalm sobre a Coreia do Norte do que na Segunda Guerra, no combate ao Japão na região do Pacífico. Cerca 20% da população perdeu a vida, segundo os cálculos do general Curtis LeMay, que comandou a força aérea estratégica na Guerra da Coreia.

LeMay relatava numa entrevista em 1984: "Nós incendiamos todas as cidades, de uma forma ou de outra. Também na Coreia do Sul. Destruímos até [a sul-coreana] Pusan – sem querer."

O ex-secretário de Estado americano Dean Rusk – na época da guerra responsável pelo Leste da Ásia no Departamento de Estado – confirma: "Entre o Paralelo 38 N e a fronteira chinesa, bombardeamos tudo o que fosse tijolo sobre tijolo, tudo o que se movesse. Tínhamos superioridade aérea total e deixamos a Coreia do Norte por terra."

Bombas atômicas e massacres


Os norte-coreanos também já escutaram ameaças de bombas atômicas, do general americano Douglas MacArthur. Numa entrevista detalhada em 1954, o supremo-comandante das Forças Aliadas manifestou-se decepcionado por não ter sido implementado seu plano para terminar a Guerra da Coreia em dez dias.

Retórica belicista de Trump reaviva traumas
antiamericanos dos norte-coreanos
Este previa a utilização de "30 a 50 bombas atômicas", assim como tornar intransitável a fronteira entre a Coreia do Norte e a China por um longo tempo, espalhando cobalto radioativo num cinturão de cinco quilômetros ao longo do rio fronteiriço Yalu. Assim, se impediria a China de continuar apoiando Pyongyang. Tanto Washington quanto as Nações Unidas vetaram o plano.

Massacres também contam entre as histórias que estão esquecidas no Ocidente, mas cuja memória é mantida viva na Coreia do Norte. Como o de No Gun Ri, revelado em 1999 e cometido pelos próprios soldados dos EUA, que sob uma ponte fuzilaram centenas de civis em fuga.

Piores ainda foram as "faxinas" anticomunistas das forças de combate sul-coreanas. Logo após o começo da guerra, executaram-se no Sul reais ou supostos comunistas e simpatizantes do Norte, com conhecimento e sob os olhos de oficiais americanos. Relatos e fotos desses crimes permaneceram sob sigilo por décadas.

Uma Comissão da Verdade e Reconciliação, criada durante o mandato do então presidente e antigo ativista dos direitos humanos Roh Moo-Hyun, estimou em 100 mil o número das vítimas da guerra. Muitos desses massacres foram falsamente atribuídos aos norte-coreanos – os quais, por sua vez, também perpetraram suas "faxinas" sangrentas.

DW
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;