Dados do próprio governo, divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento Social, no mês de junho deste ano, mostram que 668 mil famílias estão vivendo abaixo da linha de pobreza.

Essas famílias foram selecionadas e estão cadastradas esperando que o governo Michel Temer libere o pagamento do Programa Bolsa Família (PBF). O programa Bolsa Família é um instrumento de combate a desnutrição infantil e adulta.

Os dados mostram que a miséria no Brasil voltou a aumentar e cerca de 143 mil famílias voltaram a fazer parte do Programa Bolsa Família (PBF) até o final do mês de junho de 2017. A política econômica em curso, o aumento do desemprego e da pobreza são apontados como o principal motivador. Vale lembrar que Michelzinho, o filho de 8 anos de Temer, tem R$ 2 milhões em imóveis.

A região Nordeste, pelos números apresentados, é a que mais sente o peso da crise, já que quatro de cada dez novos ingressantes no PBF são desta região. A região Sudeste, a mais populosa do país, concentra um terço dos novos ingressantes, seguida da região norte, com aproximadamente um em cada dez, e das regiões Sul e Centro-Oeste com número inferior a uma pessoa a cada dez. São Paulo, com 20.458 ingressantes, e Bahia, com 16.781, foram os estados com mais novos beneficiários do PBF. (Carta Campinas com informações de divulgação)



Carta Campinas
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;