O presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf (PMDB), do mesmo partido de Michel Temer e Eduardo Cunha, se apressou na noite desta quarta-feira, 2, em emitir uma nota a favor da votação que coroou a corrupção no Brasil.

Logo após a votação que impediu a investigação contra Michel Temer, Paulo Skaf, assinou a nota tentando colocar um tapete em cima das malas de Temer, segundo Joesley.

O presidente da Fiesp apoiou o golpe parlamentar de 2016, liderado pelo presidiário e ex-deputado, Eduardo Cunha, mesmo sem crime de responsabilidade da ex-presidente. Agora, diz em nota o óbvio: “A Câmara dos Deputados tomou hoje sua decisão soberana”.

Soberana e imoral, para todos os brasileiros.

O interesse de Skaf pode ir muito mais além do que o que diz na nota da Fiesp, que mais parece uma nota de 60 reais.

De acordo com a delação do executivo Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da empreiteira Odebrecht, em relato ao Ministério Público Federal (MPF), o presidente Michel Temer pediu, em 2014, R$ 10 milhões ao empreiteiro Marcelo Odebrecht. “Do total de R$ 10 milhões prometido por Marcelo Odebrecht em atendimento ao pedido de Michel Temer, Eliseu Padilha ficou responsável por receber e alocar R$ 4 milhões. Compreendi que os outros R$ 6 milhões, por decisão de Marcelo Odebrecht, seriam alocados para o Sr. Paulo Skaf”, diz o delator.

A decisão de apoiar o golpe parlamentar de 2016 também custou caro à indústria brasileira. Veja algumas notícias:


Ao apoiar o golpe, Fiesp deu um golpe também nas micro e pequenas empresas


Fiesp faz estudo e mostra que golpe apoiado por Paulo Skaf afunda a indústria

Fiesp, que apoiou o golpe parlamentar, vê produção industrial despencar 7%

Governo Temer afunda o PIB, população empobrece e indústria tem queda

Empresários vão à Justiça para que o golpe apoiado pela Fiesp não destrua a indústria naval

Fiesp apoiou o golpe, mas indústria continua a demitir. Agora, vai para Cuba fazer negócios.

Veja nota de Paulo Skaf


É hora de construir
A Câmara dos Deputados tomou hoje sua decisão soberana sobre a denúncia apresentada pelo Procurador Geral da República contra o presidente Michel Temer. Ela cumpriu sua missão constitucional, dentro das regras do Estado de Direito Democrático.

Com isso, o Brasil supera mais uma etapa da crise que tanto sofrimento vem trazendo aos brasileiros e pode trabalhar para construir o futuro. Os sinais de recuperação da economia que já começamos a ver no horizonte precisam se fortalecer e se multiplicar.

O governo deve agora empenhar todo o seu esforço na retomada do crescimento, com geração de emprego e renda, sem aumento de impostos ou medidas que sacrifiquem ainda mais a sociedade.

A Fiesp tem estado ao lado do Brasil em todos os momentos importantes e continuará lutando por um país mais próspero, desenvolvido e justo para todos os brasileiros.

Paulo Skaf
Presidente da Fiesp e do Ciesp

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)




Carta Campinas



Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;