No governo Temer, empresas de outros países seguem ocupando o território, aliadas a grupos brasileiros; Summit Agricultural Group, de Bruce Rastetter, possui 4.451 hectares no Mato Grosso


Por Alceu Castilho, no De Olho Nos Ruralistas 


De quem é a usina de etanol de milho, no Mato Grosso, que mereceu uma visita do presidente Michel Temer e do ministro da Agricultura, Blairo Maggi? Ela pertence à FS Bioenergia, uma fusão entre a empresa estadunidense Summit Agricultural Group e a brasileira Fiagril. E a quem pertence a empresa americana? De Olho nos Ruralistas identificou: trata-se de Bruce Rastetter, um aliado de Donald Trump, o maior financiador dos republicanos no estado de Iowa.

O Summit Agricultural Group informa possuir, desde 2012, 11.000 acres (4.451 hectares) no Mato Grosso, numa fazenda onde Temer chegou de helicóptero, nesta sexta-feira, driblando protesto de caminhoneiros contra a alta dos combustíveis. Foi a primeira visita dele, como presidente, ao estado. Segundo oValor, a usina duplicará a unidade de Lucas do Rio Verde, em 2018, e pretende construir mais uma usina no Mato Grosso.

Segundo a Receita Federal, a FS Agrisolutions Indústria de Combustíveis Ltda (FS Bioenergia) tem como sócios a Fiagril Participações, do brasileiro Marino José Franz, e a Summit Brazil Renewables Participações I Ltda, criada em 2014. Esta, por sua vez, tem dois sócios: o Summit Brazil Renewables I e o Summit Group, ambos dos Estados Unidos, administrados por Rafael Davidsohn Abud.

O dono da empresa, Bruce Rastetter, foi um dos 60 conselheiros de Trump para a agricultura, durante a campanha eleitoral. E um dos seis conselheiros do Iowa no Agricultural Advisory Committee. Ele esteve em dezembro na Trump Tower (foto ao lado), onde o presidente eleito recebia candidatos a vagas no governo.

Incra liberou terras para empresa


A compra de terras por estrangeiros faz parte de um fenômeno conhecido internacionalmente como land grabbing. No Brasil, ela costuma ocorrer em aliança com grupos locais. A venda de terras para estrangeiros, individualmente, não é permitida. O site americanoagriculture.com(nessa notícia traduzida pelo SFAgro) informou, no ano passado, que o Summit Group e mais duas empresas ganharam autorização do governo brasileiro para comprar terras sozinhos, sem parcerias.

Quem ganhou essa autorização, a rigor, foi a SB Agrícola, empresa de cultivo de soja que tem como sócios o Summit Brazil e o Summit Group, com Rafael Abud como procurador. As duas empresas têm o mesmo endereço, no município de Porto dos Gaúchos (MT). O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) informou, em 2013, que a autorização para a SB Agrícola era para o cultivo de grãos.

Temer e Maggi são a favor do projeto que libera o mercado de terras para estrangeiros. O ministro da Agricultura, produtor de soja e milho, é contrário à venda para estrangeiros somente no caso dos grãos. O Poder 360 informa que Maggi, senador licenciado (PP-MT), está sendo cotado para ser vice do governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) numa chapa presidencial pelo PP.

Dono da Fiagril foi preso pela PF


A Fiagril, sócia do Summit Group, pertence ao empresário matogrossense Marino Franz, que já foi prefeito de Lucas do Rio Verde. Ele chegou a ser preso pela PF, em 2014, na Operação Terra Prometida, acusado de participar de um esquema de fraudes fundiárias. A PF informou, na época, que fazendeiros e empresários coagiam e ameaçavam pessoas para obter lotes da União, em terras da reforma agrária.

Uma das filiais da Fiagril foi adquirida, em 2016, por um grupo chinês.

Foto: Presidência da República/Divulgação



Portal Fórum
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;