Os jornais noticiam que a Polícia Federal “fechou” um acordo de delação premiada com o publicitário Marcos Valério, preso há cinco anos, de uma pena total de 40 anos.

O curioso é que Valério, como todo preso, quer há vários anos fazer um acordo de delação. Em fevereiro deste ano prestou uma série de depoimentos ao Ministério Público de Minas Gerais e neles, segundo os jornais, relatava propinas nos dois primeiros anos de governo de Lula (nos Correios) e no Banco do Brasil, durante o governo FHC. Teria falado também de fartas negociatas com os tucanos de Minas (a começar por Aécio Neves) e negócios do PSDB com o Banco Rural, o mesmo acusado de praticar irregularidades com o PT.

De repente, a Polícia Federal aparece e toma para si o acordo que o MP recusou e, rapidamente, o conclui, inclusive com a transferência do preso para uma unidade prisional mais suave.

O acordo já estaria, inclusive, com o Supremo Tribunal Federal, para homologação, porque Aécio tem foro privilegiado.

Tudo é muito estranho, porque é improvável que, em três ou quatro meses, preso, Valério possa ter obtido provas que faltariam e, por isso, levaram o MP a recusar o acordo.

O que terá sido determinante para a PF em tese sobrecarregadas, fosse atrás do carequinha com uma “proposta irrecusável”?

A ressurreição de Marcos Valério, a esta altura, tem toda a ponta de missa encomendada.

TIJOLAÇO
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;