Revolução à Vista
por Jair Antonio Alves


Revolução a vista ou homologação do Golpe? Diante do inesperado crescimento da campanha pela anulação do Impeachment da ex-Presidênta, Dilma Rousseff, nos últimos dias, e com a adesão em massa dos Artistas e Personalidades brasileiras tudo leva a crer que estarmos diante de um “fato” novo. O mais surpreendente de tudo é que, se isto for levado a cabo (e tudo indica), já está nos “planos” dos artífices do mesmo Golpe “armado”, como se sabe, a partir do dia seguinte a 26 de outubro de 2014.


Como se daria esta anomalia e contradição política? Não é de se estranhar, todavia. A liderança política nos últimos meses (compreende-se aí), por parte dos interesses econômicos explícitos vão muito além da vaidade dos expoentes do PSDB (FHC, Serra, Alckmin, Aécio); estes últimos já não contam mais. O que está claro, desde a posse de Temer, são as Reformas Trabalhistas, Previdenciárias e, outra, que ganhou destaque nos últimos meses - à Reforma Política. Trata-se de legalizar uma prática que, em tese, já vem ocorrendo. O Estado brasileiro não se faria representar pelo “voto universal” da maioria dos cidadãos e, sim, pelos Meios de Comunicação como “garota propaganda” de um capitalismo mais que selvagem – perverso; onde as necessidades naturais do ser humano (do brasileiro nato e estrangeiro aqui residente), e sim metas econômicas e financeiras das grandes Corporações. Seria o “capítulo” final de uma equação que, lá atrás, o grande líder da esquerda brasileira - José Dirceu - disse entender, porém, acabou se “enrolando” e, agora, em prisão domiciliar. A partir dos acontecimentos mundiais de 1989, a Terceira Guerra deixou de ser travada na luta insurrecional, passando ser travada pelo controle dos Meios de Comunicação, alimentada pelo vertiginoso crescimento das novas tecnologias.

Na prática, o processo de anulação do impeachment da ex-presidenta duraria (no menor das hipóteses) até novembro, ainda dentro do ano fiscal; porém, até lá as “pretendidas reformas” já estariam concluídas no Congresso e homologadas pelo presidente atual; mesmo debaixo de forte campanha pela sua destituição.

Qual o objetivo dessas “manobras”, tão arriscada aos golpistas? Evitar que um nome, sem lastro partidário e social (como Rodrigo Maia), passar a ser um “empecilho” diante de uma “nova” rejeição popular como vem ocorrendo agora. Os mesmos não admitem correr o risco “Temer”, novamente. Com a anulação do processo, Dilma Rousseff receberia um país em “frangalhos”, e sem possibilidades de anular o que foi imposto à força. Não teria dois terços do Congresso e serviria, novamente, de “vidraça” para anular toda e qualquer possibilidade de eleger Lula; ou qualquer outro nome não identificado com os objetivos do Golpe. Acreditam os “estrategistas” do Golpe Final que teriam poder para aplicar uma derrota “fragorosa”, sem tamanho, aos progressistas brasileiros. A única saída seria o “parlamentarismo”; o mesmo ocorrido às vésperas do Golpe de 64. Só que agora, noutros tempos, com os grandes veículos de comunicação interligados e identificados com o padrão de consumo da classe média alta “armada” até os dentes. Vide os nomes que compõem a lista de assinantes das grandes revistas, semanais, (exceto a Carta Capital) bem como as tevês a cabo?

Qual o temor dos “operadores” do Golpe? Que a “turbulência” política e a pauta diária, ao longo do processo de anulação do impeachment, venham a atrapalhar a votação das reformas, ainda não homologadas. Sem reforma Previdenciária e Política, estaremos à beira do caos. Isso vale para os “dois lados”. Até porque algum tipo de modernização, no Brasil, seria preciso à direita ou à esquerda. Como está não vai ficar. Elas virão pela discussão ou pela “Força”.

Jair Antonio Alves é dramaturgo



GGN






Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;