O professor do Instituto de Economia (IE) da Unicamp,José Dari Krein (foto), afirmou durante debate sobre a Reforma Trabalhista realizado no seminário “Greve Geral de 1917 – O Centenário da Greve Geral e o Arquivo Edgard Leuenroth [AEL]”, que experiências semelhantes levadas a cabo em outros países demonstraram claramente que houve um desmonte dos mecanismos de proteção social do trabalho e não geraram empregos, como querem fazer crer os defensores da reforma do governo.

Krein afirma que, ao propor a flexibilização da legislação trabalhista, a reforma defendida pelo governo Temer representa um retrocesso e contribuirá para o aprofundamento da crise social brasileira. “A geração de emprego depende de outros fatores, fundamentalmente daqueles relacionados à dinâmica da economia”, disse o economista.

A desembargadora aposentada Magda Biavaschi, que também participou do evento, não tem dúvida de que o projeto de reforma trabalhista do governo, caso aprovado, representará a destruição dos mecanismos de proteção social conquistados pelos trabalhadores ao longo do tempo. “A CLT está imbricada na tessitura da sociedade brasileira. O que as elites brasileiras, que são bastante predatórias, estão tentando fazer é destruir os direitos dos trabalhadores e, consequentemente, as instituições fiscalizadoras, como a Justiça do Trabalho”, afirmou.

O evento, promovido pelo Arquivo Edgard Leuenroth [AEL] no último dia 28, contou também com a participação do sociólogo Ricardo Antunes. (Veja mais)





Carta Campinas



Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;