Como a falta de comando no MPF resultou, nos últimos anos, em ações anticorrupção mais onerosas para o país do que a própria corrupção



Saiu na Ilustríssima da Folha S. Paulo, deste domingo (02), um belo artigo, escrito por Caio Farah Rodriguez, com o título 'Além de enfrentar a corrupção, Lava Jato impõe capitalismo a empresários', mostrando a lógica sistêmica dos acordos de leniência.

Farah Rodriguez não compara a Lava Jato com a operação italiana Mãos Limpas, mas sim compara com um caso que foi à Suprema Corte norte-americana em 1954, sobre a discriminação contra uma menina negra em uma escola. Na sentença, qual foi a ideia aplicada? Você tem hábitos arraigados de corrupção, discriminação, por exemplo, e o papel da sentença não é, meramente, punir, ela tem que definir uma maneira de romper com aquele sistema já estratificado. Então, nesse caso da menina, a escola foi obrigada a aceitá-la, mas, não apenas isso, teve que aplicar a condução adequada para a garota. Então, o distrito teve que providenciar a segurança dela. Assim, foi sendo criado todo um microuniverso em torno daquele ato para romper com hábitos estratificados.

No caso do acordo de leniência, Farah Rodriguez mostra idealmente quais seriam os reflexos da Lava Jato, mesmo com todos os erros cometidos. Então você pega uma grande empresa, por exemplo a Odebrecht, faz um acordo de leniência suficientemente severo, porque se não for cumprido o que se definiu no pacto a empresa acaba. Então isso obriga a empresa, dentro daquele universo dela, a estender as relações virtuosas a todo o seu corpo de fornecedores e de clientes, porque ela não pode mais aceitar o tipo de jogo ilegal.


Dessa forma você vai criando esses universos saneados, digamos, que acabam se ampliando e rompendo a cadeia da corrupção. No caso brasileiro, o artigo coloca bem isso, existe toda uma estrutura viciada, histórica e política que acabou virando regra em todas as relações com o setor público.

Mas o artigo não aborda todos os eixos, entrando no campo jurídico, sociológico e político. Quando você lança ações anticorrupção com essa envergadura e com interesses partidários, claramente definidos, você confere um poder na ponta e está tratando com pessoas humanas, como se diz. No judiciário, sempre que você vê uma falha, uma fraqueza de um magistrado, de um ministro da alta corte, os juristas operadores do direito dizem: 'mas ele é humano'. Mas esses são excessivamente humanos.

Então, o artigo analisa, conceitualmente, idealmente os desdobramentos da Lava Jato, mas não fala do conjunto de abusos que acabam cometendo quando não se tem comando a frente do Ministério Público.

Vamos pegar um exemplo, do caso Gripen - Como o MPF criminalizou a compra do Gripen. Aqui eu uso um artigo do Roberto Godoy, repórter especialista do Estadão, muito bom, na área de defesa, chamado 'Novo caça brasileiro começa a alçar voo'. A política foi um feito extraordinário para o Brasil, você teve a licitação do FX, inicialmente se queria o Sukhoi, da Suécia, mas os Estados Unidos pressionaram pela Boeing. Dilma acabau optando pelo Gripen, sueco, porque a aeronáutica tinha optado por ele, por ser o que permitia a maior transferência de tecnologia.

Resultado: temos hoje os primeiros aviões que estão em teste. Assim que as 36 unidades começarem a chegar, em 2019, em pouco tempo o Brasil estará participando desse restrito universo dos países que vão disputar esse mercado dos aviões supersônicos.

Tempos atrás, nos anos 1990, houve o projeto do Supertucano da FAAB, onde a Embraer participou do desenvolvimento. Com isso a empresa brasileira ganhou grande competência técnica nessa área de supersônicos, o que até então não tinha. O acumulo de conhecimento ajudou, posteriormente, a Embraer a lançar sua linha de aviões comerciais maiores. Do mesmo modo a tecnologia absorvida com o Gripen vai permitir grandes avanços na própria aviação civil.

Esse programa, portanto, foi um processo sistêmico envolvendo Forças Armadas, a decisão política com o então ministro Nelson Jobim, com o Lula, principalmente, a Dilma refazendo o diagnóstico inicial e aceitando que o grande avanço seria a transferência de tecnologia. Porém, tudo isso foi resumido pelo Ministério Público a um caso de escândalo absolutamente inverossímil.

O que o MPF considerou? Tinham muitos consultores da SAAB-SCANIA, sendo um deles um senhor que conheceu o Lula anos atrás, ainda no tempo da indústria automobilística, e, para fazer uma graça, resolveu o Lula, já fora do governo, arrumar esse senhor como patrocinador para um campeonato de rugby do seu filho.

Então, o que fazem esses procuradores? Pegam uma licitação de 10, 15 bilhões de dólares e dizem que aqueles 2 milhões, ou 1,5 milhão de reais de patrocínio tem uma vinculação. Por que isso acontece? É uma profunda ignorância econômica de todo processo de transferência de tecnologia. O coitado do procurador vai para o Distrito Federal, saí um dos factoides dos jornais, de viés partidário e político, daí aquilo é transformado em representação que vai parar na mão do procurador que tem que mostrar serviço, daí ele sai buscando pelo em ovo de todo o jeito.

O grande erro é a fala de comando que perdurou durante todos esses anos no Ministério Público Federal.

O que um procurador deveria fazer? Quando começa esse terremoto de buscar escândalo em qualquer lugar, realizar um curso chamando os procuradores, forma um grupo de trabalho para discutir o que são os financiamentos do BNDES, o que é o acordo FX, como foi toda a tramitação, as instâncias que foram envolvidas. Isso tudo faltou nesse período. Então, o procurador recebe a representação e tem que mostrar serviço. Veja, portanto, o desperdício que ocorreu esses anos todos com o conjunto de factoides, desviando procuradores de trabalhos em cima dos escândalos que existem efetivamente.

Em suma, um grande desperdício de mão de obra especializada atendendo a um jogo com a mídia e, com isso, se partidarizando com a mídia. É isso que se espera da nova Procuradora-Geral, é impedir esses desperdícios e que uma ação anticorrupção acabe ficando mais onerosa para o país do que a própria corrupção. Os primeiros pontos que ela coloca na sua plataforma são relevantes. Então, o que esperamos, é essa profissionalização que traz esses princípios, a renovação que traz esperança para o MPF e que ele possa se constituir, efetivamente, em uma força inteligente, e não nessa força cega em que se transformou com esse exibicionismo e essa falta de limites da Lava Jato.

Foto: Saab Planet 

GGN
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;