O ex-ministro Geddel Vieira Lima foi preso na tarde desta segunda-feira (3) pela Polícia Federal durante uma ação na Bahia. A prisão preventiva foi pedida pela PF e pelos integrantes da Força-Tarefa da Operação Greenfield, a partir de informações fornecidas em depoimentos do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, do empresário Joesley Batista e do diretor jurídico do grupo J&F, Francisco de Assis e Silva, sendo os dois últimos em acordo de colaboração premiada.

Segundo o Ministério Público Federal (MPG), Geddel vinha tentando atrapalhar as investigações, atuando para evitar que Lúcio Funaro e o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), ambos presos na Lava Jato, negociassem acordo de delação premiada.

Há menos de duas semanas o ex-ministro entregou seu passaporte e colocou seu sigilo bancário à disposição do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), com o objetivo de evitar a prisão.

O ex-ministro foi citado mais de uma vez na delação premiada dos executivos do grupo empresarial J&F, que deu origem à investigação contra Temer. Segundo os depoimentos, ele seria o intermediário nas negociações com o presidente até o momento em que foi afastado da articulação do governo no Congresso. Apesar disso, ele não figura como investigado no inquérito.

Geddel Geddel deixou o governo em novembro do ano passado, após ser denunciado de pressionar o então ministro da Cultura Marcelo Calero para que o Iphan liberasse a construção de um prédio em região tombada de Salvador.


Ligações para Lúcio Funaro

O doleiro Lúcio Funaro - apontado como um dos principais protagonistas no esquema de corrupção da Lava Jato e operador do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) - relatou, em depoimento à Polícia Federal, que o ex-ministro Geddel Vieira Lima, um dos mais próximos de Temer, ligou insistentemente para saber se o doleiro estava fechando acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal. Na época das ligações telefônicas, Geddel ainda não havia deixado o governo e era o homem de confiança de Temer.

Funaro estará no conteúdo da denúncia que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentará contra Temer ao Supremo Tribunal Federal (STF), até o próximo dia 19.

A denúncia contra Temer, que parte da gravação de uma conversa do presidente da República com dono da JBS, Joesley Batista, e de delações de executivos da empresa, deve reiterar os crimes de obstrução de justiça, organização criminosa e corrupção passiva, os mesmos crimes que embasaram a abertura de inquérito contra o peemedebista no Supremo.

Quando deixou o governo, Geddel teria sido substituído pelo ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB) para tratar de assuntos pessoais de Temer, entre eles, o do episódio que veio à tona na delação da JBS, no dia 17 de maio. Loures foi filmado recebendo do executivo Ricardo Saud, da JBS, uma mala com R$ 500 mil. O suborno seria apenas uma das parcelas de um pagamento que soma mais de R$ 600 milhões, segundo a PF, para atender a interesses da empresa junto ao governo.

Preso pela PF, Loures fazia também a mediação entre Temer e o dono da JBS. Numa das gravações feitas pelos investigadores, o ex-deputado do PMDB marca o encontro que ocorreria em março no Palácio Jaburu entre o presidente e o empresário. No encontro, Temer disse a Joesley Batista que Loures era homem de sua confiança.



Os Amigos do Presidente Lula
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;