Premiados por Temer

A notícia é um insulto em si.

Após o golpe de Estado que destruiu a economia e produziu o maior contingente de brasileiros desempregados e endividados já registrados no país, Temer manda de vez para as cucuias o tão alardeado ajuste fiscal de sua equipe econômica.


Na mesma toada que se julga no direito de exigir da população sacrifícios obscenos como a completa perda de seus direitos trabalhistas e a extinção de sua aposentadoria, escancarou os cofres públicos no mais flagrante balcão de negócios que se tem notícia na história recente do país.

Vendo o seu governo ruir dia após dia e às vésperas da votação na Câmara dos Deputados da denúncia apresentada pelo Procurador-Geral da República, Temer se agarra ao único “argumento” aceitável entre os páreas que o colocaram na presidência: dinheiro.

Segundo a agência Reuters, no mês de junho a liberação de recursos para parlamentares apresentou um crescimento vertiginoso completamente incompatível com a sequência desastrosa na arrecadação de impostos verificadas pelo governo federal durante todo o ano de 2017.

Enquanto nos primeiros cinco meses do ano os valores somados em emendas não chegaram a R$ 1 bilhão, só no mês passado foram repassados inacreditáveis R$ 4,2 bilhões aos senhores parlamentares numa desesperada e criminosa tentativa de manter, às custas do dinheiro público, a sua base aliada.

O esquema é tão flagrante que, não por acaso, chega a obedecer um curioso padrão entre os beneficiários da farra.

Dada a deficiência moral do Congresso mais reacionário já eleito em todos os tempos, não é tarefa fácil, mas conferindo a lista dos excelentíssimos agraciados com a gastança de Temer, pode-se concluir que os campeões de recebimento são justamente os, digamos, de caráter mais duvidoso.

Dispensando apresentações, em primeiríssimo lugar vem o inominável deputado Jair Bolsonaro. Dono de sete mandatos legislativos e apenas um único Projeto de Lei aprovado na vida, o cidadão que faz da homofobia, da violência, do preconceito e do desrespeito sua plataforma política, recebeu R$ 18,5 milhões só no primeiro semestre do ano.

Em segunda colocação, mas campeão disparado em ações na Lava Jato, vem o recém-retornado ao Senado Federal graças à condescendência fraternal do STF aos tucanos, o menino do Rio, Aécio Neves. O iluminado que prometeu matar seu próprio primo antes de uma possível delação, recebeu no mesmo período a singela quantia de R$ 18,4 milhões.

Na terceira posição, esclarecendo muitas coisas, segue o senador Cristovam Buarque, seguramente a maior decepção moral de toda a esquerda. Traidor convicto de tudo que já defendeu nos seus melhores dias, o golpista que se aliou ao que de pior pode haver na política brasileira amealhou nada menos que R$ 17,7 milhões desse arremedo de governo.

A lista segue com o que você já pode imaginar em se tratando dos aliados do único presidente denunciado formalmente no exercício de seu mandato em toda a nossa história democrática.

Um verdadeiro festival de horrores que se arrasta poço a dentro sob os olhares incrédulos e estupefatos do mundo inteiro.

Cristalino mesmo é que diante do terror, do desgoverno, da desesperança, da humilhação e da vergonha que vivemos diariamente impostos por Michel Temer, uma coisa pode-se dizer particularmente organizada: na quadrilha do golpe, os mais desonestos são os que recolhem mais do butim.

DCM


Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;