O esforço de redução de alavancagem dos bancos internacionais no pós-2008 provocou pressão por inadimplência sobre os bancos privados nacionais, restando ao Brasil impulsionar os bancos públicos – CEF, BB e BNDES – como forma de preservar empresas e empregos



Em 2008, o sistema financeiro internacional entrou em colapso devido ao excesso de alavancagem dos bancos denominados principalmente em dólares. Na Figura 1 pode-se perceber o esforço realizado pelo sistema financeiro anglo-saxão para a redução dos estoques de dívidas em aberto desde então.


A maciça destruição de passivos bancários desde 2008 foi compensada, ao menos em parte, com a tomada, por parte dos bancos anglo-saxões, de títulos públicos com diferentes maturidades. Na medida em que os Estados intervieram com injeções de liquidez no pós-2008, as dívidas públicas resultantes na Europa e na periferia dos EUA foram absorvidas de maneira mais ou menos ilimitada pelos Governos.

No momento seguinte, tornaram-se imperativo para os bancos políticas de ajuste fiscal, ao menos fora dos EUA. A contração monetária e fiscal geraria excedentes públicos que colaborariam para a redução do endividamento total do sistema financeiro internacional.

Conforme se pode perceber na Figura 1, o esforço fiscal, principalmente na Europa e na periferia estadunidense, tem sido incompleto, atrasando-se a adequação dos bancos às regras prudenciais dos Acordos de Basileia I e II.

Uma vez que a parcela de ativos bancários dedicados a suportar o endividamento público não apresenta perspectiva de rápida redução no curto prazo, coube aos demais componentes privados o ajuste. Com isso, não apenas famílias tiveram limites de crédito revistos, mas principalmente firmas e instituições financeiras (Figura 2).


O crédito conferido por instituições financeiras denominadas em dólares para outras instituições financeiras, com a finalidade de repasses em moedas domésticas, foi no passado recente tão maior quanto mais ampliado o diferencial dos juros locais.

Acesso a linhas de endividamento externo, com baixíssimos custos em dólares, permitiu a expansão do crédito nos diferentes sistemas financeiros nacionais. Na Figura 3, percebe-se a escalada dos repasses em Reais para empresas brasileiras, a partir de dívidas contraídas em dólares nos últimos anos.



Observando-se a Figura 4, pode-se inferir que boa parte dos recursos provenientes de repasses de linhas externas foi realizada em prazos mais longos, o que permitiu aos bancos em Reais estender benefícios para firmas e famílias.


No entanto, desde a eclosão da crise política no Brasil, ao longo de 2015, os bancos localizados no Brasil passaram a destruir patrimônio. Este movimento teve como causa o aumento da incerteza no ambiente interno, mas também o esforço de redução de alavancagem pelos bancos internacionais.

De uma maneira ou de outra, entre dezembro de 2015 e abril de 2017 foram cerca de R$ 200 bilhões subtraídos de famílias e empresas na forma de crédito não renovado. Esta contração, verificada simultaneamente ao ajuste fiscal, tem produzido aumento extraordinário no número de famílias e empresas inadimplentes.

Este fenômeno tem levado a política monetária brasileira ao afrouxamento, o que atenderia não ao combate à inflação, mas a necessidade dos bancos em suportar o surto de inadimplemento em contexto de destruição de crédito e empregos.

Considerando-se que os bancos privados encontram-se pressionados por inadimplemento financeiro e diminuição de linhas externas para repasses, não parece restar outro instrumento ao Brasil que impulsionar os bancos públicos – CEF, BB e BNDES na direção de ampliação do crédito para capital de giro. Empresas e empregos no Brasil dependem disso bem mais que o sucesso das ditas reformas estruturais.

Crédito da foto da página inicial: Washington Santos/Divulgação



Brasil Debate
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;