O Globo





Manchete: Apagão de gestão no Rio


Arco Metropolitano está às escuras e sem segurança

Sem salários, servidores fazem fila por alimentos

Dornelles e Crivella pedem ajuda à União

A crise no Rio provoca problemas que vão da violência à falta de dinheiro para manter serviços e pagar a servidores. Inaugurado em 2014, o Arco Metropolitano, que custou R$ 2 bilhões e atravessa 72km da Baixada, está completamente às escuras, com todos os 4.310 postes apagados porque o estado não tem dinheiro para manutenção. Sem policiamento, o movimento de veículos na via caiu à metade. O governador em exercício, Francisco Dornelles, e o prefeito Marcelo Crivella voltaram a cobrar socorro financeiro da União. Sem salários e passando necessidade, servidores fizeram, pelo quarto dia seguido, fila para receber doação de cestas básicas. Licenciado, Pezão foi alvo de críticas por ter se internado num spa em Penedo. (Págs. 9 a 12)

ANCELMO GOIS

Governo do Rio agora estuda transferir a Cedae diretamente para o BNDES. (Pág. 10)


Moro compara Lula a Cunha no caso tríplex


‘Em lavagem (de dinheiro), o que importa é a realidade e não a mera aparência’, diz

O juiz Sergio Moro comparou a defesa de Lula no caso do tríplex no Guarujá à do deputado cassado Eduardo Cunha na ação em que foi condenado a 15 anos de prisão. Para Moro, assim como o ex-presidente afirma não ser o proprietário do imóvel, Cunha alega não ter contas no exterior, dizendo-se apenas “usufrutuário em vida” do dinheiro. O juiz rejeitou a contestação da defesa de Lula, que apontou “omissões, contradições e obscuridades” na sentença que condenou o petista por corrupção e lavagem de dinheiro. (Pág. 5)


Temer e Maia disputam votos do PSB


Dez deputados dissidentes do PSB estão no centro de uma disputa entre o presidente Temer e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O PMDB quer os votos deles em favor de Temer. Maia, que pode suceder a Temer caso ele seja afastado, tenta levá-los para o DEM. (Págs. 3 e 4)


Venezuela: saúde só para chavistas


Enquanto os venezuelanos enfrentam penúria sem precedentes na Saúde, líderes chavistas importam remédios e viajam para tratamento em hospitais do exterior. (Pág. 22)




Empréstimos do BNDES caem 17%


O volume de empréstimos do BNDES a empresas recuou 17% de janeiro a junho, para R$ 33,5 bilhões. A agricultura foi o único setor que demonstrou apetite para investimentos. (Pág. 18)


Dólar cai 4,7% no mês, para R$ 3,15 (Pág. 19)





------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo





Manchete: Relator do Refis é sócio de empresas que devem R$ 51 mi


No total, parlamentares que vão votar novo texto do programa têm débitos de R$ 532,9 milhões com a União; Receita Federal deve recomendar veto

Os deputados e senadores que vão votar o texto do novo Refis – programa de parcelamento de dívidas tributárias com descontos de juros e multas – devem R$ 532,9 milhões à União. Somente os débitos de duas empresas do deputado Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG), relator do projeto, chegam a R$ 51 milhões, informam Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues. O governo enviou proposta ao Congresso no fim de maio com a expectativa de arrecadar R$ 13,3 bilhões em 2017 com a quitação de débitos, mas a medida foi alterada e a receita deve ser de R$ 420 milhões. Com desconto de até 99% das multas e dos juros, a nova versão propõe perdoar 73% da dívida a ser negociada. Por meio de sua assessoria, Cardoso Jr. alegou que o novo Refis vai permitir a regularização fiscal de milhares de pessoas e empresas. A Receita Federal vai recomendar o veto do novo Refis se permanecerem as condições propostas pelo relator. (ECONOMIA / PÁGS. B1 e B3)


Parlamentares não veem conflito


Deputados e senadores não veem problema em discutir um novo Refis mesmo sendo potenciais beneficiados do parcelamento. “Estamos prestando um grande serviço à nação”, disse Cardoso Jr.. (PÁG. B3)


Temer e Maia disputam apoio de deputados do PSB


O presidente Michel Temer convidou deputados do PSB a se transferirem para o PMDB. O movimento irritou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que tenta levar os pessebistas para o DEM. Dos 36 parlamentares do PSB, 16 se alinham com a base, apesar de o partido ter deixado o governo. Numa tentativa de minimizar o mal-estar, Temer jantou com Maia e assessores, ontem, na casa do deputado. (POLÍTICA / PÁG. A4)


Moro compara Lula a Eduardo Cunha


Ao negar recurso da defesa, o juiz Sérgio Moro comparou o ex-presidente Lula a Eduardo Cunha, preso em Curitiba. O petista disse que o magistrado se comporta como um czar. (PÁG. A6)


Colunistas


Vera Magalhães

Com a queda de Aécio, Alckmin acredita estar no início da fila dos presidenciáveis tucanos. (POLÍTICA / PÁG. A6)

Leandro Karnal

A política absorveu parte do que era a teologia antiga na promessa da felicidade. (CADERNO2 / PÁG. C6)


Notas & Informações


Falsa reforma

Quando se observa o que está sendo feito com a urgente e imprescindível reforma política, constata-se, infelizmente, que há parlamentares indiferentes ao destino do País. (PÁG. A3)

O desafio pós-recessão

Investir mais e elevar a eficiência do capital investido, recomendações essenciais para o Brasil. (PÁG. A3)


------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo





Manchete : Temer assedia PSB e provoca atrito com Maia


Em encontro fora da agenda oficial, presidente convida deputados desejados pelo DEM a migrar para o PMDB

No primeiro dia do recesso parlamentar, o presidente Michel Temer abriu uma crise com DEM e PSB, partidos da base governista. Fora da agenda, Temer foi à residência da líder do PSB na Câmara, Tereza Cristina, para convidar dissidentes da sigla a ir para o PMDB. O ato foi visto como tentativa de conter o avanço do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre congressistas do PSB para ampliar a bancada da sigla. O presidente do PSB, Carlos Siqueira, disse que Temer se preocupa mais “em salvar a pele” do que com o país. Em meio ao mal-estar, o presidente cancelou viagem que faria a Pernambuco, reduto do PSB, e marcou jantar com Maia, que o sucederá se ele for afastado devido à denúncia por corrupção. No encontro, ontem à noite, Temer negou que tenha tentado vetar o ingresso de membros do PSB no DEM. A Câmara divulgou como será a sessão de 2 de agosto, na qual vai apreciar o caso. Maia afirmou que cortará o ponto dos ausentes. (Poder A4)


Dodge questiona Janot sobre verba para a Lava Jato


Nomeada para chefiar a Procuradoria-Geral da República, Raquel Dodge indagou a Rodrigo Janot, atual titular, a razão de o orçamento de 2018 prever menos verba do que a pedida pela Lava Jato. A PGR diz que o valor é 4,19% superior ao da proposta deste ano. (Poder A5)


Moro nega recurso de Lula e compara o petista a Cunha (Poder a6)





Imóvel irregular em Miami entra na mira do fisco


De 4.765 brasileiros que compraram imóveis em Miami de 2011 a 2015, 44% não declararam à Receita Federal ou informaram um valor mais baixo que o avaliado. O fisco planeja autuar esses contribuintes se eles não aderirem à segunda etapa do programa de repatriação de recursos mantidos ilegalmente no exterior, que vai até o fim do mês. (Mercado A13)


Cancelamento de gastos por Paes é alvo de sindicância


O ex-prefeito do Rio Eduardo Paes usou matrícula fictícia no sistema municipal para cancelar gastos de R$ 350 milhões devidos a fornecedores. O ato, no fim da gestão, é investigado. Paes nega irregularidades. (Cotidiano B1)


Espanha emite ordem para que ex-chefe da CBF seja preso


A Justiça espanhola expediu ordem de prisão contra Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF. Ele é acusado de lavagem de dinheiro junto com Sandro Roseli, ex-presidente do Barcelona. Como o Brasil não tem tratado de extradição com a Espanha, o Ministério Público Federal quer acesso ao processo para apurar o caso. Teixeira não foi localizado para comentar. (Esporte B6)


Hélio Schwartsman


Parlamentarismo não pode ser visto como panaceia

Sou parlamentarista, mas é preciso cuidado para não tratar o parlamentarismo como uma panaceia. Se facilita a substituição de governantes que perderam as condições de liderar, casos de Dilma e provavelmente de Temer, ele também pode favorecer cenários de ingovernabilidade. (Opinião A2)


Editoriais


Leia “Siga o dinheiro”, sobre falta de transparência no uso de recursos do Sistema S, e “Trump, seis meses”, a respeito de desempenho do republicano. (Opinião a2)


------------------------------------------------------------------------------------

Mídia
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;