O Globo





Manchete: Nova lei amplia negociação entre patrão e empregado


Para analistas, mudanças na CLT devem elevar geração de emprego

Senado aprova texto por 50 votos a 26. Temer deve vetar artigos para aperfeiçoar regras

Por 50 votos a 26, o Senado aprovou ontem a reforma trabalhista, ampliando os itens da CLT que podem ser negociados entre patrões e empregados, como jornada, parcelamento das férias e compensação de banco de horas. São criadas ainda novas formas de contrato. Por acordo com os senadores, o presidente Michel Temer deverá vetar alguns itens para aperfeiçoar regras, como as da jornada intermitente e de intervalo para almoço. Aguardada pelo setor produtivo, mas criticada pelas centrais sindicais, a reforma tem potencial para acelerar a geração de empregos, afirmam especialistas. (Págs. 19 a 21 e Míriam Leitão)


Temer reforça ofensiva para vencer na CCJ


Após trocar 17 parlamentares na CCJ (dez titulares e sete suplentes), o governo adotou novas estratégias para tentar derrubar o relatório do deputado Sergio Zveiter e rejeitar a abertura do processo contra o presidente Temer. Dirigentes de PMDB, PP e PR, partidos da base de Temer, se reunirão para decidir se fecham questão contra a denúncia da PGR, o que aumentará a pressão sobre os deputados rebeldes. No Planalto, o presidente anunciou um pacote de bondades para agradar a deputados da bancada ruralista e do Nordeste. Sancionou o que os ambientalistas chamam de “MP da Grilagem”, além de parcelar dívidas de prefeituras e adiantar repasses de verbas. A oposição foi ao Supremo contra o troca-troca na CCJ e perdeu. Com tudo isso, o placar na comissão apertou e, ontem, tudo indicava que Temer sairá vitorioso. O PMDB protocolou voto em separado na CCJ, e, vencendo na comissão, tentará levá- lo ao plenário. (Págs. 3 e 4)


Momento Venezuela


O Senado viveu dia de Parlamento venezuelano após as senadoras Fátima Bezerra, Gleisi Hoffmann, Regina Sousa, do PT, e Vanessa Grazziotin, do PCdoB, tomarem a Mesa para impedir à força a votação da reforma trabalhista. Em ação inédita, elas obstruíram a sessão por quase oito horas, mesmo após o presidente da Casa, Eunício Oliveira, cortar microfones e luzes do plenário. Para especialistas, o ato foi inadequado e antidemocrático. (Págs. 19 e 21)

MERVAL PEREIRA

Peter Pan por trás de uma ação deplorável no Senado. (Pág. 4)


Investigação contra Lula por obstrução pode ser arquivada


O MPF pediu o arquivamento de investigação sobre Lula em tentativa de obstrução de Justiça. Em ação sobre o tríplex, ele teve pedido negado por Moro, que vai dar a sentença em breve. (Pág. 6)

ELIO GASPARI

Apenas uma trapaça para iludir o eleitorado. (Pág. 16)


Medo afasta professor da sala de aula


De janeiro a abril deste ano, cerca de 90 professores da rede municipal do Rio se afastaram das salas de aula devido à violência no entorno e dentro de escolas. Curso ensina educadores quando fechar a unidade por falta de segurança. (Pág. 10)


------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo





Manchete: Governo vence no Senado e aprova reforma trabalhista


Mesmo após radicalização da oposição, Planalto obteve vitória expressiva, com 50 votos a 26 -

Texto altera mais de 100 pontos da CLT

Nova lei promove grande mudança nas relações trabalhistas e entra em vigor em 120 dias

A reforma trabalhista foi aprovada no plenário do Senado, por 50 votos a favor e 26 contra. Para o governo, foi uma vitória expressiva, diante da denúncia contra o presidente Michel Temer. O texto, que altera mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), vai para sanção presidencial e passa a valer em 120 dias. Temer disse que a reforma significa importante avanço para o País. A nova lei promove grande mudança nas relações entre patrões e empregados. Entre as maiores modificações estão a prevalência, em alguns casos, de acordos entre patrões e empregados sobre a lei, o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, obstáculos ao ajuizamento de ações trabalhistas, limites a decisões do Tribunal Superior do Trabalho, possibilidade de parcelamento de férias e flexibilização de contratos de trabalho. A sessão de ontem foi longa e tensa. Um grupo de senadoras de oposição ocupou a mesa diretora e, durante seis horas, tentou impedir a votação. (ECONOMIA / PÁGS. B1 e B3 a B6)

João Domingos

Erro grosseiro

A aprovação da reforma trabalhista no plenário do Senado foi, sobretudo, uma derrota da oposição e de sua estratégia tonta, antidemocrática, oportunista e machista. (ECONOMIA / PÁG. B5)


Resultado dá alívio, mas não garante previdência


Para analistas, apesar de mostrar a capacidade de articulação do governo, a aprovação da reforma trabalhista não é garantia de que a previdenciária passará no Congresso. Há quem aposte em uma versão desidratada da proposta, com alterações apenas na idade mínima e nas regras de transição. Isso porque o texto tem tramitação mais complicada: as alterações na Previdência precisam de maioria qualificada, ou seja, da aprovação de dois terços dos parlamentares, com votação em dois turnos na Câmara e no Senado. (PÁG. B6)


‘Respeitarei o resultado’, diz Temer sobre denúncia


Enquanto intensifica as articulações para barrar na Câmara a denúncia por corrupção, o presidente Michel Temer disse que será “obediente” ao que os deputados decidirem, respeitando “qualquer que seja o resultado da votação”. Temer afirmou, contudo, que não vai “tolerar que paralisem o País” e que “o importante é que, enquanto alguns protestam, a caravana passe”. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pediu que os deputados permaneçam em Brasília até sexta-feira para votar em plenário a matéria. (POLÍTICA / PÁGS. A4 e A5)


MPF pede fim de ação contra Lula


O MPF no Distrito Federal enviou à Justiça pedido de arquivamento de investigação que apura se o ex-presidente Lula teria agido para atrapalhar investigações da Lava Jato. A citação a Lula foi feita em delação do senador cassado Delcídio Amaral. (PÁG. A9)


Notas & Informações


O exercício da omissão

O relator Sérgio Zveiter utilizou as 31 páginas de seu parecer para afirmar, na CCJ, a indigente tese de que, se há uma denúncia, os deputados devem aceitá-la. (PÁG. A3)

Desalinhamento

Demissão seria o desfecho se funcionário de empresa privada agisse como o presidente do BNDES. (PÁG. A3)


------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo





Manchete : Senado aprova reforma trabalhista


Votação só ocorreu mais de 7 horas após senadoras da oposição ocuparem mesa diretora; projeto segue para sanção de Temer

Por 50 votos a 26, o Senado aprovou a reforma trabalhista, proposta do governo que altera a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) em mais de cem pontos. O projeto segue para a sanção do presidente Michel Temer. A votação ocorreu após a sessão, iniciada no fim da manhã, ter sido interrompida por mais de sete horas por um grupo de senadoras da oposição que ocupou a mesa diretora a fim de pleitear modificações no texto. Sem acesso a seu lugar, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), apagou as luzes. As senadoras permaneceram na mesa, onde chegaram a comer quentinhas. “É a desmoralização da Casa”, afirmou Eunício. Elas deixaram a mesa após avaliarem que o “gesto político” teve efeito, disse Fátima Bezerra (PT-RN). A reforma trabalhista é uma das prioridades legislativas do presidente, que enfrenta grave crise política. Ela é defendida por empresários e contestada por partidos de esquerda e sindicatos de trabalhadores. Após a aprovação, Temer agradeceu à base aliada e disse que as mudanças vão ajudar a gerar empregos. As alterações incluem a prevalência, em alguns casos, de acordos entre patrões e empregados sobre a lei, o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical e o parcelamento das férias, entre outros pontos. (Mercado A17)


Com ameaça de punição, partidos tentam forçar voto favorável a Temer (Pág. 4)





No Rio, violência fecha escolas em 93 de 100 dias


Neste ano, pelo menos uma escola da rede municipal do Rio interrompeu aulas por causa da violência em 93 de 100 dias letivos. Segundo a prefeitura, 381 unidades (25% do total) já ficaram sem atividades devido a tiroteios, e 129 mil crianças foram afetadas, (Cotidiano b1)


Hélio Schwartsman


Senadoras fazem jogo político feio ao impedir sessão

Congressistas podem dizer o que pensam e tomar medidas regimentais para obstruir uma votação, mas não podem impedir fisicamente o presidente da Casa de sentar-se para conduzir os trabalhos. Isso não é apenas jogo feio, é falta mesmo. Essas palhaçadas nos dão mais motivos para rejeitar políticos. (Opinião A2)



Gamil Föppel


Prisão de Geddel é um ato ilegal e desnecessário

Geddel foi atacado diversas vezes. Nunca se comprovou — porque ele não praticou — crime. Ninguém passaria tanto tempo fazendo oposição a poderosos se tivesse praticado ato ilícito. Sua prisão é ilegal e desnecessária. (Opinião A3)


Editoriais


Leia “Na dúvida, a crise”, sobre relatório favorável a afastamento de Temer, e “Contas do passado”, acerca da reposição de perdas da poupança. (Opinião a2)


------------------------------------------------------------------------------------

Mídia
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;