O Globo





Manchete : Aliados avaliam ser difícil vitória de Temer na CCJ


Parecer de Sergio Zveiter pela aceitação da denúncia é tido como certo

Expectativa é por relatório técnico, sem juízo político, duro de ser contestado na votação. Tucanos acham que posição favorável à investigação seria a senha para sair do governo. Temer se reúne com líderes para evitar derrota

Caciques do PMDB e aliados do governo dão como certo que o deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) apresentará hoje, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), parecer favorável à aceitação da denúncia contra o presidente Michel Temer, por corrupção passiva.

A expectativa de políticos do entorno do presidente é que o relatório de Zveiter tenha caráter técnico e fortes argumentos jurídicos, sem juízo político da conduta de Temer, tornando difícil que os integrantes da CCJ votem contra o parecer.

A cúpula do PSDB se reúne hoje para decidir a postura em relação ao governo e avalia que a aceitação da denúncia pode ser a gota d'água para deixar a base. Temer passou o domingo em reuniões no Jaburu e no Alvorada montando uma estratégia para evitar a derrota. (Págs. 3 a 5)



Ricardo Noblat


Temer ‘pedalou’ a moral. (Pág. 2)


Cais do Valongo é patrimônio mundial


A Unesco tornou o Cais do Valongo, na Gamboa, Patrimônio Mundial Cultural. Com a medida, autoridades brasileiras se comprometem a preservar o lugar, onde dois milhões de escravos vindos da África aportaram no século XIX. Paisagem da cidade já tem o título. (Págs. 6 A 8)



Rio terá aportes de R$ 8,2 bi


De olho na recuperação da indústria do petróleo, empresas privadas programam investir mais R$ 8,2 bilhões em projetos na Região dos Lagos e no Norte Fluminense. Enquanto isso, Itaboraí já vive a expectativa de retomada do Comperj. (Págs. 15 e 16)


------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo





Manchete : Temer já espera parecer a favor de denúncia na CCJ


Relatório de Sérgio Zveiter será lido hoje na comissão; presidente se reuniu com Maia, Eunício e líderes da base

O Palácio do Planalto e seus aliados dão como certo que o relator Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) apresente parecer favorável à denúncia contra o presidente Michel Temer por crime de corrupção passiva. O relatório será lido hoje na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. "Quem vai dar a solução para o problema e para a população é o plenário", afirmou Zveiter ontem, reiterando que seu voto será "totalmente isento".

Em articulações para assegurar os votos necessários na CCJ e no plenário, Temer recebeu ontem os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), líderes governistas e ministros. O líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), afirma que Temer terá mais de 40 votos na CCJ – são necessários 34. Enquanto isso, a oposição tenta atrasar o cronograma e forçar o desgaste do governo. (Política / Pág. A4)



Saída da base é questão de semanas, diz Alckmin


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou ontem não ver motivo para o PSDB permanecer no governo Temer após a votação das reformas. "Depois disso, eu vejo que não há nenhuma razão para o PSDB participar do governo. É questão de semanas", disse. Hoje, lideranças tucanas se reúnem para discutir o possível desembarque. A votação da reforma trabalhista está prevista para amanhã no Senado. (Política / Pág. A6)


Trabalhador paga por má gestão e desvio em fundos


Cerca de 142 mil funcionários e aposentados da Caixa e dos Correios têm descontos no contracheque para cobrir rombos dos fundos de previdência complementar Funcef e Postalis. Para reduzir o déficit da Petros, 77 mil trabalhadores da Petrobrás passarão a contribuir. Maria Augusta dos Santos, de 86 anos, é uma das que pagam a conta por má gestão e desvios. "Não tenho culpa que houve roubo", lamenta a ex-funcionária da Caixa. (Economia / Pág. B4)


Unesp investiga cor de alunos cotistas


A Unesp vai averiguar se alunos cotistas acusados de fraudes são realmente pretos ou pardos como declararam. (Metrópole / Pág. A11)



Cida Damasco


A economia tem um longo caminho até se ajustar. Com Temer ou com Rodrigo Maia. (Economia / Pág. B6)


Mais de 100 mil pacientes salvos


Transplantes

A Central de Transplantes de São Paulo, que comemora 20 anos, já ajudou a salvar mais de 100 mil pacientes. O número total de transplantes por ano cresceu 890%, mas ainda é baixo. No caso de Luiza, 10 meses, o doador foi seu pai. (Metrópole / Pág. A12)


Saneamento pode atrair até R$ 35 bi (Economia / Págs. B1 e B3)





PGR quer ‘cérebro’ da Lava Jato suíça (Política / Pág. A8)





Unesco. Cais do Valongo, no Rio, é declarado patrimônio mundial. (Pág. A12)





NOTAS & INFORMAÇOES


O necessário prumo

Os únicos que não podem se queixar da instabilidade do governo são justamente os tucanos, pois são eles também responsáveis por tal situação. (Pág. A3)

A lógica torpe do petismo

O PT mostra que não aprendeu nada com os erros cometidos quando esteve no poder. (Pág. A3)



------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo





Manchete : Perda dos poupadores será paga com desconto


Acordo no STF não incluirá todos os prejudicados por planos econômicos

Um acordo definitivo para a reposição de perdas das cadernetas de poupança provocadas por planos econômicos deverá estar fechado até o início de agosto.

Conduzida no âmbito do Supremo Tribunal Federal, a negociação não incluirá todos os prejudicados pelos pacotes de combate à inflação lançados pelo governo nas décadas de 1980 e 1990.
Nos cálculos da equipe econômica, os bancos teriam de desembolsar cerca de R$ 50 bilhões se tivessem de indenizar todos os afetados, que somam 1,1 milhão.

O acordo tende a envolver, basicamente, os poupadores cobertos por ações coletivas, reduzindo a disputa a R$ 11 bilhões. Mesmo sobre esse montante, haverá descontos e parcelamentos.
Não estão definidos os índices para o abatimento dos valores a serem pagos. Em ações julgadas pelo Superior Tribunal de Justiça, as taxas chegaram a 65% sobre os juros acumulados. No STF, porém, o acerto pode ter condições diferentes.

Cerca de 70% dos desembolsos estarão a cargo da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, estatais. A pedido da CEF, a Advocacia-Geral da União encarregou-se da mediação dos entendimentos a partir de setembro do ano passado. Com a esperada homologação do acordo, centenas de ações públicas serão automaticamente canceladas.

A iniciativa contou também com o apoio do Ministério da Fazenda e do Banco Central. Folhainvest Pág. 1



Maia não garante que denúncia seja votada neste mês


O presidente Michel Temer (PMDB) não obteve garantias de que a acusação de corrupção apresentada pela Procuradoria-Geral da República vá ser votada pela Câmara dos Deputados antes do recesso de julho.

Durante encontro no Palácio do Jaburu, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não se comprometeu a acelerar a tramitação da denúncia. (Poder A4)



Ninguém mais aguenta as turbulências desse governo


ENTREVISTA DA 2a :; RENAN CALHE1R0S

Apeado há pouco da liderança do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL) diz haver um “sentimento de que o governo já foi”. Ele considera que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ê alternativa para uma “inevitável travessia”.

Alvo de investigações e denúncia na Lava Jato, o senador afirma que faltam provas contra ele. (Pág. A20)


Falta de dados dificulta políticas públicas para o crack em capitais (Cotidiano B1)





Editoriais


“Dissonância na equipe”, sobre declarações do presidente do BNDES, e “Venezuela em transe”, acerca de escalada de violência no país. (Opinião A2)



------------------------------------------------------------------------------------

Mídia
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;