Segundo o cientista político, a democracia desmoronou e há uma ditadura do capital financeiro em solo brasileiro, "mascarada pela legalidade"

por Redação RBA


WIKICOMMONS "A democracia acabou. O parlamento está todo comprado, desde antes da eleição', alerta Moniz Bandeira


São Paulo – Para o cientista político Luiz Alberto de Vianna Moniz Bandeira, tudo indica que, com o desmonte da legislação trabalhista, além da Previdência, esta temporariamente adiada, estão se formando as condições para uma "convulsão social" no Brasil, uma resposta "de vingança" da população à retirada de seus direitos, trabalhistas, humanos e civis. "Tudo indica que pode haver uma convulsão social no Brasil. Espero que a guilhotina não seja instalada em frente ao Palácio do Planalto", afirmou, em entrevista ao Cafezinho, na última quarta-feira (12).

Segundo Moniz Bandeira, há uma ditadura do capital se instalando em solo brasileiro, "mascarada pela legalidade". A prova disso, segundo ele, são os projetos do governo atual, que visam trabalhar em prol do empresário. "A democracia acabou. O parlamento está todo comprado, desde antes da eleição, com o dinheiro do Cunha e do Temer", diz.

Sobre a condenação do ex-presidente Lula, o cientista político também alerta: há uma conspiração internacional e nacional. "O inimigo número um da nação brasileira é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que aumentou os tentáculos de Michel Temer, que aprovou a reforma trabalhista para se manter no cargo e continuar tendo apoio do empresariado."

Ouça a íntegra:



Rede Brasil Atual
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;