Os irmãos Koch (foto acima), uma das famílias mais ricas dos Estados Unidos, tradicionais financiadores de movimentos de extrema-direita nos EUA, como o Tea Party, e no mundo, voltam a aparecer em reportagens sobre a nova direita brasileira.

Reportagem do Guardian publicada ontem, enfatiza que diversos membros do MBL, um dos principais agentes dessa nova direita, responsável pelas manifestações de rua em favor do golpe, foram treinados e financiados por organizações que recebem fundos dos irmãos Koch, proprietários de indústrias ligadas ao setor de petróleo e derivados.

Trecho da matéria do Guardian:


The Free Brazil Movement began from an “anxiety to create a simple language and spread and transform economic and political liberalism into a relevant political force in Brazil,” said Kim Kataguiri, 21, another of its young leaders, who plans to stand for Congress in next year’s elections.

He said some Free Brazil Movement coordinators had received training by Students for Liberty, a free-market advocacy network that is part of the Atlas Network, an American not-for-profit organisation that spreads free market ideals. Students for Liberty and the Atlas Network have received funding from Charles Koch, who with his brother David, controls Koch Industries – the US energy, fossil fuels and petrochemicals behemoth.

Fabio Ostermann, an independent political scientist based in Porto Alegre in the south of Brazil, helped found the Free Brazil Movement and was also a member of the Brazilian branch of Students for Liberty. He was a Koch summer fellow at the Institute for Humane Studies in Virginia for three months.

Tradução (minha):


O Movimento do Brasil Livre começou a partir de uma “ansiedade para criar uma linguagem simples e espalhar e transformar o liberalismo econômico e político em uma força política relevante no Brasil”, disse Kim Kataguiri, 21, outro dos seus jovens líderes, que planeja se tornar deputado federal nas eleições do próximo ano.

Ele disse que alguns coordenadores do Movimento do Brasil Livre receberam treinamento da Student for Liberty, uma rede em defesa do mercado livre, que faz parte da Atlas Network, uma organização americana sem fins lucrativos que difunde ideais de mercado livre. Students for Liberty e Atlas Network receberam financiamento de Charles Koch , que com seu irmão David, controlam as indústrias Koch, que opera no campo de combustíveis fósseis, derivados de petróleo e petroquímicos.

Fabio Ostermann, cientista político independente, residente em Porto Alegre, no sul do Brasil, ajudou a fundar o Movimento do Brasil Livre e também foi membro do ramo brasileiro de Estudantes para a Liberdade. Ele foi bolsistas de verão no Institute for Humane Studies, na Virgínia, por três meses.

Em matéria recente no Cafezinho, mostramos que, após o golpe, os Estados Unidos aumentaram em quase 200% as exportações de óleo diesel para o Brasil, assumindo o controle sobre 83% das nossas importações desse produto.

Um detalhe estranho: a matéria no site do Guardian tem uma propaganda do governo brasileiro (?). Abaixo, um print.




Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;