Corrupção



Ana Paula do Vôlei não anda sozinha. Ela é multidão.


Ana Paula do Vôlei é um símbolo, um amálgama do que temos de pior: o jeitinho atávico, a democracia seletiva, a raiva de pobre disfarçada em discurso moralista, o analfabetismo político, o papo furado contra a corrupção enquanto se é corrupto.

Ancelmo Gois deu a nota em sua coluna no Globo.

“Uma ex-funcionária de uma empresa da qual Ana é sócia cobra uns R$ 16 mil em dívida trabalhista. Foi determinada a penhora do apartamento da ex-atleta no Leblon”, escreveu.

“Ana Paula, que vive nos EUA desde 2009 e até declarou voto em Trump, disse à Justiça que mora no apartamento e, com isso, conseguiu suspender temporariamente o leilão. A ex-funcionária dela vai recorrer”.

A quantia é irrisória perto do que ela amealhou em sua “carreira” — o ministro do STF Marco Aurélio destruiu essa palavra com sua decisão liberando Aécio Neves para o Senado — e perto do que faz parecer nas redes sociais com sua ostentação de uma american life.

Ainda assim, ela prefere inventar que mora no Rio de Janeiro.

Ana Paula é Rocha Loures, livre para cumprir prisão domiciliar no sábado, dia 1º, e que furou fila para ter acesso à tornozeleira eletrônica.

Um lote de vinte aparelhos deveria atender imediatamente aos detentos que os aguardavam para terem a chance de progressão de regime.

Foi diretamente para Rocha Loures.

Teria havido um acordo às pressas para quitar a dívida com a empresa que fornece o equipamento — que costuma, aliás, sair com defeito.

Como foi parar na perna de Rocha Loures antes da dos outros? Jamais saberemos.

Ana Paula é Aécio, que ignorou a ordem do STF de não exercer atividades parlamentares durante seu afastamento.

Ele não apenas recebeu líderes de seu partido e postou no Facebook imagens no Facebook, como assinou um documento interrompendo o mandato de um deputado federal do PSDB no Acre de modo a pôr um aliado no lugar.

Tudo às claras, num desafio de quem nunca teve problemas com a Justiça e não é agora que terá.

Ana Paula é Michel Temer, que mandou instalar no Palácio do Jaburu um muro de plantas para impedir que os visitantes sejam vistos. O tal “corredor verde” encobre a visão.

Ao invés de suspender os encontros com a vagabundagem, Michel dá esse truque. Numa estada recente em São Paulo, ele já havia mandado FHC e Tasso Jereissati entrarem pela cozinha do hotel para não ser avistados.

É o golpe no golpe, o desrespeito às leis por parte de quem pode desrespeitá-las, a pós-normalidade do impeachment fraudado.

Como diz aquele locutor chato dos jogos da seleção: Brazil, zil, zil…

Por Kiko Nogueira
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;