Por Ricardo Brito e Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - A Justiça Federal decidiu transferir na quarta-feira o empresário Lúcio Funaro do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, para a Superintendência da Polícia Federal, a pedido do Ministério Público Federal, que negocia com a defesa do empresário um acordo de delação premiada que vai atingir o presidente Michel Temer, apurou a Reuters com fontes envolvidas nas tratativas.

A expectativa inicial da defesa de Funaro era que o acordo fosse fechado até o final de junho, conforme havia mostrado reportagem da Reuters há duas semanas. Mas o empresário, com auxílio de advogados, ainda trabalha nos anexos com as informações que pretende apresentar na delação. As conversas ocorrem com a equipe do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Em depoimento à PF, Funaro acusou Temer de ter orientado a distribuição de recursos desviados da Caixa Econômica Federal e de saber do esquema de propina paga em contrato da Petrobras com a Odebrecht. Nesse depoimento, ele disse publicamente estar disposto a fazer uma colaboração premiada.

Temer negou qualquer envolvimento com propinas da Odebrecht quando foram divulgadas as delações de executivos da empresa. Sobre a acusação de Funaro de que o presidente teria orientado a distribuição de recursos, o Planalto afirmou "que nunca houve tal orientação".

Funaro também implicou o ex-ministro Geddel Vieira Lima em desvios na Caixa quando ocupava a vice-presidência de pessoas jurídicas do banco. Segundo Funaro, Geddel teria recebido 20 milhões de reais em propina do esquema de corrupção dentro do banco. As acusações dele reforçaram a decisão da Justiça de decretar a prisão preventiva do ex-ministro na última segunda-feira.

A defesa de Geddel afirma que o ex-ministro é inocente, tendo aberto mão voluntariamente de seus sigilos bancário e fiscal, e que sua prisão foi "absolutamente desnecessária".

Ao menos Temer, Geddel e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha serão envolvidos na delação de Funaro, caso ela venha a ser fechada com a Procuradoria-Geral da República, conforme apurou a reportagem. A linha de atuação é implicar o chamado grupo do PMDB da Câmara, com quem o empresário sempre teve proximidade e faria a intermediação de operações ilícitas.

Funaro está preso há um ano e pessoas próximas a ele avaliam que o cenário ideal é fechar uma delação o quanto antes, ainda na gestão de Janot, que deixa o comando da PGR no dia 17 de setembro.

O advogado de Funaro, Antonio Figueiredo Basto, afirmou à Reuters que não vai se pronunciar sobre a eventual delação do empresário. "Não vou falar", disse.

A delação de Funaro é uma das principais sendo negociadas agora pela Procuradoria-Geral da República. Além de Funaro, estão adiantadas as negociações com o ex-ministro Antonio Palocci, preso em Curitiba.

Próximo de deixar o cargo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quer sair da Procuradoria não apenas com os dois acordos de delação fechados, mas também com as ações e pedidos de abertura de inquéritos enviados ao Supremo Tribunal Federal.

Indicada por Temer para substituir Janot, Raquel Dodge, foi a segunda colocada na lista tríplice apresentada ao presidente Michel Temer pelo MP. Janot e Dodge tem divergências públicas sobre os métodos de trabalho da PGR, mas a futura procuradora-geral garante que manterá o trabalho da operação Lava Jato intacto.

Reuters
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;