O “Exército de Insurreição e Libertação Queer” foi anunciado nesta segunda-feira pelo grupo anarquista Forças de Guerrilha da Revolução Internacional do Povo (IRPGF), que faz parte do Batalhão de Liberdade Internacional que luta contra o Estado Islâmico na Síria


Por Redação*



O grupo Forças de Guerrilha da Revolução Internacional (IRPGF) anunciou pelo Twitter, nesta segunda-feira (24), a criação do Exército de Insurreição e Libertação Queer (TQILA), o primeiro grupo armado composto por LGBTs a lutar contra o Estado Islâmico na Síria. O TQILA atua em Raqqa, no norte do país, palco de intensos confrontos entre as forças internacionais e integrantes do Estado Islâmico.

O IRPGF, que anunciou a criação do grupo armado LGBT, faz parte do Batalhão de Liberdade Internacional, um grupo de soldados de várias nacionalidades que estão no norte da Síria em guerra com o Estado Islâmico e as milícias curdas.

No Tweet em que anuncia a criação do TQILA, o IRPGF diz que seus membros “procuram esmagar o binômio de gênero e promover a revolução das mulheres, bem como a mais ampla revolução sexual e de gênero”. O grupo explicou ainda que o exército LGBT foi criado pois há, nos batalhões internacionais, inúmeros soldados homossexuais e que “assistiram com horror as forças fascistas de todo o mundo atacar a comunidade LGBT”.


O símbolo do TQILA é uma metralhadora AK-47 com o fundo rosa. Na imagem publicada, os soldados seguram uma faixa que diz: “Esses viados matam fascistas”.

Confira, abaixo, o anúncio da criação do grupo.


*Com informações do NewsWeek

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;