O ex-presidente da Câmara dos Deputados e ex-deputado federal pelo PMDB, Eduardo Cunha deixou nesta sexta-feira (14) o Complexo Médico Penal, em Pinhais (PR), para prestar depoimento na Polícia Federal em Curitiba, dentro do processo da operação Cui Bono?, que investiga um esquema de fraudes de créditos na Caixa Econômica Federal.

O depoimento de Cunha durou apenas 20 minutos. De acordo com o advogado do ex-parlamentar, Délio Lins e Silva Júnior, Cunha permaneceu em silêncio e não respondeu às perguntas que foram enviadas pela Polícia Federal de Brasília, que é responsável pela investigação desse inquérito.

Segundo Délio Júnior, Cunha vai responder os questionamentos em uma outra investigação semelhante. O advogado ainda negou que Cunha tenha ficado em silêncio na oitiva com o delegado Maurício Moscardi, porque está negociando um acordo de delação.

"Ele ficou calado, porque o depoimento era referente aos mesmos fatos que estão em apuração na ação penal lá em Brasília. Aí, ele ficou calado porque vai prestar os esclarecimentos lá. Não existe negociação de delação. Não existe qualquer acordo de delação, pretensão de acordo de delação, nenhum anexo foi entregue como está sendo ventilado aí hoje", declarou.

A mulher de Cunha, Cláudia Cruz, que foi absolvida no processo ao qual respondia em Curitiba, também foi até a sede da Polícia Federal, já que sexta-feira é o dia de visitas no Complexo Médico Penal, local onde Cunha está preso.

Além de Cunha, também são investigados na operação o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), que cumpre prisão domiciliar, e o doleiro Lúcio Funaro, que está na carceragem da PF, em Brasília.

De acordo com as investigações, Cunha, Gedel e Funaro teriam negociado com a Caixa a liberação de empréstimos para empresários e em troca do pagamento de propinas.

Sputnik Brasil
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;