Senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes.

Aécio Neves, que já foi protagonista de bons momentos no Senado, acaba de pagar um mico. Um não, vários. Subiu à tribuna, tenso, enquanto a TV Senado exibia para todo o país os gatos pingados que estavam no plenário. O tucano Cássio Cunha Lima, que presidia a sessão, ainda tentou minorar o constrangimento.
Publicidade

Acionou barulhentas campainhas em busca de um mínimo de audiência. Sem graça, Aécio arriscou uma piada, dizendo ser um toque de boas vindas para seu retorno ao Senado.

Deputados e até o ministro Aloysio Nunes Ferreira tentaram compensar a baixa audiência.

Na tribuna, Aécio fez um relato sobre sua carreira política, como todos os outros também tentou desqualificar o delator Joesley Batista, cobriu de elogios o ministro do STF Marco Aurélio Mello ( para incômodo de Renan Calheiros) e definiu a justificativa da decisão que o levou de volta ao Senado como “peça jurídica histórica”.

Aécio disse que responderia a todas as acusações. Não respondeu. Pediu desculpas pelos palavrões ditos como se, nesse contexto, isso tivesse alguma relevância. Mas nada falou sobre as ofertas que fez a Joesley de diretorias da Vale do Rio Doce numa conversa em que seu interlocutor estava disposto a pagar R$ 40 milhões pela presidência da empresa, em tese privada.

Também nada disse a respeito das malas de dinheiro recebidas por seu primo Fred.

Que espécie de defesa é essa?

Aí, ele começou a elogiar o governo Michel Temer, cujas conquistas relevantes, disse, precisam continuar. Pareceu um pedido de socorro — afinal, ele precisa do apoio do PMDB para não ser cassado. Soou como um abraço de afogado.

Tudo muito patético. O fecho de seu discurso foi inacreditável. Defendeu que o governo revisse a sua posição e reajustasse o Bolsa Família.



Os Divergentes
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;