O EX-SENADOR AMERICANO DAN COATS, diretor de Inteligência Nacional do governo Trump, causou grande surpresa na última sexta-feira no Fórum de Segurança de Aspen ao falar a verdade sobre a política externa norte-americana.

O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, 33, não é louco, segundo Coats. “Há uma lógica por trás de seus atos”, afirma. Segusndo ele, o líder do país asiático baseia suas ações no fato de os EUA já terem demonstrado que a Coreia do Norte precisa manter seu arsenal nuclear para garantir “a sobrevivência do regime”.

“Penso que Jong-un percebeu a capacidade de barganha das nações que possuem armas nucleares, que têm um grande poder de dissuasão”, afirma. E acrescenta: “A lição que aprendemos com a Líbia, que desmantelou seu programa nuclear, (…) foi infelizmente esta: se você tem bombas atômicas, nunca deve se desfazer delas. Se não tem, trate de obtê-las.”

Trata-se de uma evidência gritante, principalmente depois da derrubada, com a ajuda dos EUA, do longevo ditador da Líbia, Muammar Gaddafi, em 2011. Porém essa realidade nunca – ou quase nunca – havia sido reconhecida por um alto funcionário do governo americano. Vamos à sequência cronológica dos fatos:

Em dezembro de 2003, a Líbia anunciou a entrega de seus estoques de armas biológicas e químicas, bem como o desmonte de um rudimentar programa de armas nucleares.

Comemorando a decisão, o então presidente americano, George W. Bush, declarou: “Aqueles líderes que abandonarem a busca por armas químicas, biológicas e nucleares – e seus vetores de lançamento – encontrarão um caminho livre para a melhora das relações com os Estados Unidos e outras nações democráticas”. Paula DeSutter, secretária de Estado adjunta de Verificação e Conformidade do governo Bush, explicou: “Queremos que a Líbia sirva de exemplo para outros países”.

Em 2011, os Estados Unidos, a ONU e a Otan realizaram uma série de bombardeios para ajudar os insurgentes líbios a derrubarem o governo. O próprio Gaddafi foi capturado por uma facção rebelde – o ditador teria sido sodomizado com uma baioneta e depois assassinado.

Um acontecimento como esse deve ter atraído a atenção da cúpula do governo norte-coreano, que também viu o Iraque ser desarmado e invadido – e seu ditador executado por uma multidão em fúria.

De fato, a Coreia da Norte chegou a comentar o caso publicamente, à epoca. O ministro das Relações Exteriores do país declarou: “A crise líbia é uma grave lição para a comunidade internacional”. Segundo ele, o acordo que levou à entrega das armas de destruição em massa da Líbia havia sido “uma tática para desarmar o país”.

Mas o governo Obama negou esse fato descaradamente. Um repórter disse ao então porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, que os norte-coreanos não viam o que estava acontecendo como um incentivo para desistir de seu programa nuclear. “A situação atual da Líbia não tem absolutamente nenhuma ligação com o abandono de seu programa e arsenal nucleares”, respondeu Toner.

Mas os norte-coreanos sabem ler; portanto estão perfeitamente a par das motivações da elite da política externa americana, que já explicou em diversas ocasiões por que os EUA desejam o desarmamento de países pequenos. Não é por medo de que os EUA sejam atacados por armas de destruição em massa, pois nações como a Coreia do Norte sabem que seriam imediatamente aniquiladas. Em vez disso, os mandachuvas norte-americanos dizem abertamente que o problema reside no poder de dissuasão do armamento não convencional – eles desestimulam um ataque dos EUA a países menores e mais fracos.

muitos exemplos disso. Por exemplo, em uma circular de 2001, o então secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, declarou:


“Muitas dessas [pequenas nações inimigas] são ferrenhamente hostis aos Estados Unidos, e estão se armando para nos dissuadir de usar forças convencionais e nucleares para intervir em crises regionais (…).
“O acesso universal a essas tecnologias [de armas de destruição em massa] pode engendrar respostas ‘assimétricas’ que, embora não possam derrotar nossas forças, podem cortar o acesso a áreas cruciais na Europa, Oriente Médio e Ásia. (…) uma abordagem ‘assimétrica’ pode limitar a nossa capacidade de empregar nosso poderio militar.”

O think tank Project for a New American Century – um grupo de pressão neoconservador que teve muita influência sobre o governo de George W. Bush – reiterou essa posição em um influente artigo intitulado “Reconstruindo as Defesas Americanas”:


“Os Estados Unidos também devem contrapor-se aos efeitos da proliferação de mísseis balísticos e armas de destruição em massa, que em breve poderão permitir que Estados menores exerçam uma influência dissuasiva sobre o exército americano, ameaçando nossos aliados e até o próprio território nacional. De todas as missões atuais e vindouras das forças armadas dos EUA, essa deve ser prioritária.”
“No mundo pós-Guerra Fria, em vez da União Soviética, os Estados Unidos e seus aliados se tornaram a principal ameaça à defesa de nações como Iraque, Irã e Coreia do Norte – os países que mais tentam desenvolver armamento com poder de dissuasão.”

O próprio Dan Coats reconhece isso em um artigo de opinião de sua coautoria, publicado em 2008. “Uma República Islâmica do Irã com armamento nuclear será estrategicamente insustentável”, escreve ele, mencionando o efeito dissuasivo das armas não convencionais. “Para evitar que o Irã adquira a capacidade de nos dissuadir, talvez tenhamos que atacá-los”, explica.

Veja o vídeo e a transcrição dos comentários de Coats abaixo:


Fonte: The Aspen Institute


DAN COATS: Isso é uma potencial ameaça à existência dos Estados Unidos e é uma séria preocupação.
LESTER HOLT: Em relação às opções à nossa disposição, sabemos que não temos muitas. Muitas delas têm a ver com tentar entender a cabeça de Kim Jong-un, mas suponho que poucas coisas sejam tão difíceis quanto tentar prever o comportamento de alguém.
COATS: Ele tem demonstrado um comportamento que gera certos questionamentos em relação a que tipo de pessoa ele é, como pensa e como se age. Mas chegamos à conclusão de que, embora um tipo muito incomum, louco ele não é. Há uma lógica por trás de seus atos – a lógica da sobrevivência do seu regime, a sobrevivência do seu país. Penso que Jong-un percebeu a capacidade de barganha das nações que possuem armas nucleares, que têm um grande poder de dissuasão. A lição que aprendemos com a Líbia, que desmantelou seu programa nuclear, e com a Ucrânia – que fez o mesmo – foi infelizmente esta: se você tem bombas atômicas, nunca deve se desfazer delas. Se não tem, trate de obtê-las. Estamos vendo muitos países tentando adquiri-las atualmente – e nenhum deles com mais afinco do que a Coreia do Norte…
Foto do topo: O líder norte-coreano Kim Jong-un inspeciona a unidade de comando 534 do Exército Popular da Coreia em 12 de janeiro de 2014.

Tradução: Bernardo Tonasse


The Intercept Brasil



Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: