"Em pagamento de juros, o Brasil só perde para Líbano, Gâmbia e Iêmen"


por Pedro Valls Feu Rosa

Dia desses li que “em pagamento de juros, o Brasil só perde para Líbano, Gâmbia e Iêmen”. Fiquei intrigado – afinal, fomos colocados ao lado de países assolados por guerras e conflitos civis. Decidi, então, tentar entender este quadro.

Para início de conversa, descobri uma tabela segundo a qual, em 2016, o pagamento de juros da dívida pública consumiu 7,6% do PIB brasileiro – o Líbano estava em primeiro lugar, com 9,15%, Gâmbia em segundo, com 8,81%, e o Iêmen em terceiro, com 8,36%. Então era verdadeira, a notícia que li.

Prosseguindo em meus estudos, deparei-me com uma outra tabela, igualmente relativa ao ano de 2016, classificando os países conforme a taxa de juros descontada a inflação. Lá no topo, em primeiro lugar no planeta, estava o Brasil, com 5,85%. Só para fins de comparação, a tumultuada Grécia aparecia em 9º lugar, com 0,91%.

 EBC" Fomos colocados ao lado de países assolados por guerras e conflitos civis"


Vamos a mais alguns exemplos: Chile em 10º lugar, com 0,78%, a África do Sul em 15º, com 0,38%, a Austrália em 17º, com 0,20%, a Turquia em 22º, com -0,49%, a Itália em 23º, com -0,5%, Portugal em 25º, com -0,60%, EUA em 29º lugar, com -0,93% e Espanha em 35º, com -1,48%.

Seria este quadro temporário ou excepcional? Encontrei um estudo do FMI, relativo a 43 países, abrangendo o período entre 2006 e 2014. Em todo ele, o Brasil sempre ocupou a liderança mundial no quesito “pagamento de juros”. Em 2006, por exemplo, quando era o 9º mais endividado, nosso país disparou no pagamento de juros, tendo destinado 8,2% do PIB para tal – quase o dobro da segunda colocada, a Itália, que lá compareceu com 4,6%.

Quais as consequências disso? Com a palavra o sério jornal “Le Monde Diplomatique”: “Sacrifícios sociais e econômicos para servir ao pagamento de juros e encargos da dívida pública têm sido uma regra no Brasil há décadas. Investigações sobre a natureza dessa dívida revelam que os elevados juros constituem, historicamente, o principal fator responsável por seu crescimento. O mais grave é que tais juros são aplicados sobre dívidas geradas por meio de diversos mecanismos meramente financeiros, sem contrapartida alguma ao país. A isso denominamos sistema da dívida”.

Que sistema esquisito! Quem será que ganha com ele? E por que nosso povo fala tão pouco dele? Eis aí, afinal, salvo engano, um dos mais sérios problemas nacionais.

Congresso em Foco
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;