Relatório produzido por 40 entidades alerta que fantasma da fome volta a assolar País. Brasil saiu do Mapa da Fome com os governos do PT


Agência Brasil  Brasil saiu do Mapa da Fome em 2014, fruto de uma década de políticas implantadas nos governos do PT

Três anos depois de o Brasil sair do mapa mundial da fome da Organização das Nações Unidas (ONU), o governo golpista de Michel Temer conseguiu trazer de volta o fantasma da fome no País.

Relatório produzido por um grupo de mais de 40 entidades da sociedade civil, que monitora o cumprimento de um plano de ação com objetivos de desenvolvimento sustentável acordado entre os Estados-membros da ONU, a chamada Agenda 2030, alerta que o Brasil pode voltar figurar entre os países do Mapa da Fome.

O documento será entregue às Nações Unidas na próxima semana, durante a reunião do Conselho Econômico e Social, nos Estados Unidos.

O Brasil saiu do Mapa da Fome da ONU em 2014, fruto de uma década de políticas inclusivas e voltadas ao desenvolvimento social implantadas pelos governos dos ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta Eleita Dilma Rousseff.

Porém, com a política de austeridade econômica e as recentes decisões do usurpador Temer de suspender recursos para programas sociais, inclusive o reajuste do programaBolsa Família previsto para julho, estão recolocando o País nesta antiga posição.

“A falta de comida na mesa dos brasileiros é o maior retrocesso da passagem de Michel Temer pela Presidência. É reflexo da desastrosa política econômica neoliberal defendida por esse presidente e por seu ministro Henrique Meirelles”, afirmou a presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), em seu artigo semanal publicado nesta segunda-feira (10), no site do partido.

Sair do Mapa Mundial da Fome da ONU significa ter menos de 5% da população sem se alimentar o suficiente. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou, no Facebook, sobre o retrocesso promovido pelo governo golpista.



Ouvido pelo jornal ‘O Globo’, o coordenador do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e consultor da ActionAid, que participaram da elaboração do relatório, Francisco Menezes, afirmou que a exclusão de famílias do Bolsa Família e a redução do valor investido no Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA), “são uma vergonha para um País que trilhava avanços que o colocava como referência em todo o mundo”.

De acordo com o IBGE, a proporção de lares que vivia em insegurança alimentar grave caiu à metade entre 2004, ano da primeira pesquisa, e 2013, dado mais recente, de 6,5% para 3,2%.

A insegurança alimentar grave é uma medida adotada pela Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (Ebia). Ao aplicar a Ebia, é possível classificar os lares de acordo com o grau de segurança alimentar, ou seja, se existe uma situação de conforto ou de medo e risco de ficar sem comer.

Também ouvido pelo O Globo, o representante das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação no Brasil, Alan Bojanic, reconheceu que há uma relação direta entre crises econômicas e o aumento da insegurança alimentar e pobreza.

Além do ex-presidente Lula, diversos parlamentares também falaram sobre o assunto.







Assista ao vídeo da presidenta do PT sobre o risco do Brasil voltar ao Mapa da Fome da ONU:



Da Redação da Agência PT de Notícias

Partido dos Trabalhadores
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;