Foi sintomático Eunício Oliveira, o Índio da Odebrecht, mandar desligar as luzes e os microfones do Senado quando algumas bravas senadoras ocuparam a mesa para impedir a votação da reforma anti trabalhista.

Foi um ato falho do presidente do Senado.

Ele mostrou como ele e seu grupo gostam de agir: no escurinho do Senado.

Nas sombras.

Nas trevas.

O apagão de Eunício encerra o apagão autoritário que tomou conta do Brasil desde o dia em que o grupo de Temer tomou o poder.

Ele desligou os microfones para evitar que elas dissessem o que ele não gostaria de ouvir.

Eunício agiu como coronel do Nordeste.

Confundiu autoridade com autoritarismo.

Achou que era o dono do Senado e não apenas seu comandante por um curto e determinado período.

Esse apagão é o fim da luz no fim do túnel, se é que havia alguma.

Eunício obedeceu ao que estabelece uma velha anedota.

O último que sair apaga a luz.



Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: