Por Altamiro Borges

O “prefake” João Doria adora se fantasiar de “João trabalhador” e desqualificar os seus adversários políticos, rotulando-os de “vagabundos”, “preguiçosos”, “ladrões” e outros adjetivos. Mas, pelo jeito, a sua usina de factoides está se esgotando e a sua operação permanente e milionária de marketing já não convence nem os “midiotas” mais tacanhos. Na semana passada, o Instituto Ipsos divulgou uma pesquisa que atesta que a reprovação dos brasileiros ao prefeito de São Paulo saltou de 39% para 52% em apenas um mês. Até a mercenária revista ‘Veja’, que andou bajulando o ricaço, sentiu o baque e ficou preocupada.

Em artigo postado em seu site na última sexta-feira (30), a publicação da famiglia Civita alertou que a tendência é de novas quedas de popularidade do demagogo. “O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), viu sua taxa de reprovação subir 13 pontos porcentuais – de 39% para 52% – entre os meses de maio e junho, segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Ipsos. Como a aprovação ao tucano se manteve estável em 16%, os entrevistados que agora reprovam o prefeito vieram daqueles que não sabiam ou não tinham conhecimento suficiente para avaliá-lo – essa taxa caiu os mesmos 13 pontos porcentuais, de 45% para 32%”.

Aos poucos, apesar da blindagem da mídia chapa-branca, os paulistanos vão conhecendo melhor as políticas do “prefake”, que passa a ser chamado de "vagabundo" por muitos eleitores arrependidos. A própria revista Veja ressalta que seu índice de rejeição cresceu após a ineficiente atuação da prefeitura na Cracolândia, no centro da capital. “Após a ação, que terminou com a prisão de 38 traficantes ligados à facção criminosa PCC e levou à dispersão de usuários de crack pela região central da cidade, Doria declarou: ‘A Cracolândia acabou’. Os usuários de droga, contudo, migraram à região da Praça Princesa Isabel, também no centro, onde se instalou um novo ‘fluxo’, como é conhecida a aglomeração de viciados. Nos últimos dias, eles voltaram às imediações da antiga Cracolândia”.

A revista também aponta como outra causa do aumento da reprovação a defesa apaixonada que João Doria fez de Michel Temer, o “presidente” mais odiado da história recente do país. Nos últimos dias, o “prefake” até tem tentado se distanciar do covil golpista. Em evento na semana passada no jornal O Globo, ele evitou opinar sobre a continuidade do seu partido na base de sustentação do mafioso. Ele afirmou que o “o quadro político se agravou” após a denúncia da Procuradoria-Geral da República e demonstrou preocupação em relação à “turbulência” provocada pela eventual queda do golpista. Mas, malandro e covarde, tentou tirar o corpo fora e responsabilizou o PSDB pela decisão de continuar no governo. O "vagabundo" começa a colher os frutos das suas opções políticas e administrativas.


Altamiro Borges
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;