por Marco Aurélio Mello
Depois de transformar o celular em massageador portátil, parece que a moda agora é o tal de We-Vibe Sync um vibrador que, segundo as mulheres, é revolucionário.

O brinquedo é feito de silicone, com textura aveludada.

Tem encaixe preciso, como uma pinça (foto), cobrindo o clitóris na parte externa e alcançando o Ponto G internamente, ambos simultaneamente.

Pode ser usado numa masturbação solo ou combinado à penetração, o que permitiria doses de prazer como nunca antes, nas palavras do fabricante.

Para dar o ritmo e a intensidade há um controle remoto com ajustes que vão do “Hum, isso é bom” até “Caramba! Não pare!”.

Ele pode ser acionado também por app no smartphone.

O que permite acesso remoto do parceiro ou parceira.

Basta mandar o link para instalação do aplicativo com funções de voz, chat e vídeo.

São três modos: toque, provocação e excitação.

É a tecnologia a serviço do prazer a um preço salgado: mais de mil reais!

Como tudo nesta vida, o aparelho levanta questões de cunho moral.

As pessoas que resistem afirmam que o brinquedo é mais um recurso para uma sociedade que privilegia os solitários.

Mais um sinal de que o mundo está apartando as pessoas naquilo que deveria ser o mais extremo da intimidade.

Combinar tudo é sempre o melhor cenário, claro, mas nem sempre o amor está assim ao alcance de todos.

Como ninguém discute a função terapêutica de um bom orgasmo vejo a iniciativa com bons olhos.

Amor pode ser bom até sem parceiro perto.

Tudo é uma questão de criatividade.

E bolso.

Viomundo
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;