POR WILLY DELVALLE

2015 e 2016 foram anos de disputa acirrada nas ruas do Brasil. Eram só multidões, contra e a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff. O país viu a maior manifestação de sua história, pedindo a derrubada da petista.

2017 chegou com a insatisfação de praticamente todos. A situação do país só piorou. Novos fatos e escândalos corroeram a imagem de um presidente da República transformado em unanimidade. Nem por isso o país se mobilizou nas ruas contra Temer do mesmo jeito como foi contra Dilma.

Douglas Izzo, membro da direção nacional da CUT, discorda que a mobilização contra Temer seja baixa. Ele cita uma série de atos realizados esse ano, como o do Largo da Batata, no dia 28 de abril, quando uma greve geral paralisou o país.

Segundo a central sindical, 100 mil pessoas protestaram na praça em São Paulo. Mas por que os protestos não têm a mesma dimensão daqueles contrários a Dilma?

“As redes de televisão trabalhavam como um grande evento durante um mês fazendo chamada para as grandes mobilizações de setores médios da sociedade e das elites”, diz.

Aliados com os quais o Fora Temer não pode contar, apesar da campanha da Rede Globo para derrubá-lo. “Portais e a grande imprensa apoiam as políticas introduzidas a partir do golpe. A Globo defende eleição indireta. As nossas manifestações defendem eleição direta, o fim da reforma da previdência e da reforma trabalhista, são contra as políticas do governo que colocou o país numa recessão profunda”, argumenta.

Rivalidade e esgotamento


Cláudio Couto, professor de Ciência Política da Fundação Getúlio Vargas, aponta que as grandes últimas mobilizações sociais da história do Brasil, Diretas Já, Fora Collor e os atos pró e contra o impeachment de Dilma Rousseff têm um intervalo de anos entre si. “Isso não acontece toda hora”, explica.

Ele diz que é preciso haver uma espécie de “energia mobilizadora”. E que agora não há novos líderes para “puxar” as mobilizações. Para piorar, os grupos que antes lutavam contra ou a favor do impeachment criaram tamanho clima de rivalidade que dificilmente seriam capazes de se unir, estando lado a lado, para pedir a queda do presidente Temer. Por outro lado, cada um sofre de uma espécie de desmoralização.

Maximiliano Vicente, professor de Realidade Socioeconômica e Política da Unesp, atribui parte da desmobilização do Fora Temer nas ruas à ligação dos movimentos que o organizam ao PT, como a CUT e o MST. “Os movimentos que pedem Fora Temer são os mesmos que apoiavam o PT. Então a população tem receio de que se dá respaldo a esses movimentos, no fundo está querendo que o PT volte”, explica.

Na esquerda, “por mais que haja exageros por parte da Lava Jato, por parte daqueles que capitanearam o impeachment, há também evidências de que houve sim corrupção”, analisa Cláudio Couto. Isso resultaria num certo constrangimento por parte dos militantes.

A direita


Na visão de Maximiliano, a direita, que levou Temer ao poder, arrefeceu. “Perderam legitimidade porque o candidato deles, Aécio, se mostrou mais corrupto inclusive do que o PT”. Uma coisa não exclui a outra. “O fato de não participar na rua não significa que não existe na população o descontentamento. A rejeição (a Temer) é maior do que qualquer outro presidente que tenha sofrido impeachment”.

Para Cláudio Couto, os movimentos organizadores dos atos Fora Dilma se declaravam como de direita. E agora é um presidente de direita que está no poder, envolvido em escândalos de corrupção. “Então, quem bateu panela para a Dilma não vai bater panela para o Temer, mesmo que as evidências de corrupção sejam muito maiores do que no momento anterior”.

Crise de representatividade


Maximiliano explica que há no Brasil um processo de descrença de todos os tipos de organização política. É o caso de Wanderley Malvazzo, 64 anos, microempresário, morador de Arujá, região metropolitana de São Paulo.

Ele protestou pela queda de Dilma Rousseff duas vezes, em março do ano passado e em 2015, por causa da economia do país, que, na sua visão, naufragava desde 2014. Sem Dilma, opina, a situação do país chegou a melhorar. Mas voltou a piorar com os escândalos envolvendo o governo Temer.

Ato contra Temer na Paulista, 21 de maio de 2017

No entanto, Wanderley não voltou às ruas para protestar. “O povo está descrente com tanta corrupção, tantos escândalos, que os movimentos que na época da Dilma estavam agitando hoje estão apáticos, muito calados”, diz.

O candidato à presidência que admiravam, Aécio Neves, se envolveu em escândalos de corrupção. “O João Vaccari Neto foi absolvido em segunda instância, o Aécio Neves só será julgado em agosto. A Adriana Ancelmo está solta, os Neves estão soltos, com tantas provas”, observa.

CUT e MST, movimentos que se engajam pelo Fora Temer, são para ele, que é antipetista, patrocinados pelo PT. E a mídia, na sua percepção, dá menos ênfase para o Fora Temer do que deu aos atos Fora Dilma. Para Wanderley, é sinal de que a classe empresarial está com Temer. E ele não se vê representado por ninguém. “Uma andorinha não faz verão”, cita.

Empresariado


Enquanto o “Fora Dilma” teve apoio explícito e financeiro do empresariado brasileiro, o mesmo não se dá com o “Fora Temer”. O professor Maximiliano Vicente explica que aquilo que os empresários queriam, Temer fez.

Colocou em pauta as Reformas Trabalhista, da Previdência e o Teto dos Gastos Públicos. O receio é que essas reformas sejam interrompidas caso Temer seja deposto. Assim, a ação empresarial está voltada não para as ruas, mas para o Congresso. “Temer não tem uma base aliada, tem uma base comprada. E quem paga esse pato? O setor produtivo”, afirma.

Para Couto, o empresariado está dividido. De um lado, aqueles que preferem menos instabilidade política e a manutenção do governo Temer até as eleições do ano que vem, “apesar dos pesares”. Do outro, os empresários refletidos pela Rede Globo, que prefere ver alguém com mais capacidade de conduzir as reformas do que um “morto vivo, como Temer vai se tornando, um presidente muito mais voltado para a preservação do seu mandato”.

Maximiliano Vicente acredita que pode haver um acréscimo de participação popular no ato convocado para o dia da greve geral, nesta sexta-feira. “Os dados que estão aparecendo ultimamente são muito comprometedores para o governo Temer. Ao ponto que isso incentiva mais as pessoas a participarem”.

Mesmo assim, ele não espera algo como as manifestações do ano passado. Cláudio Couto afirma que, na ausência de novos líderes, talvez só novos fatos contra Temer sejam capazes de gerar uma grande mobilização. A CUT não informa quantas pessoas espera reunir no ato do dia 30.

Wanderley diz que pode ser que vá, mas é provável que não. “Tenho outros compromissos”, afirma.

DCM
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;