Em audiência pública, representantes das centrais fazem críticas a projeto do governo Temer. Para dirigentes, só crescimento garante emprego. E é preciso fortalecer os sindicatos para negociar

por Vitor Nuzzi, da RBA
LUCIO BERNARDO JUNIOR / CÂMARA DOS DEPUTADOS // Para centrais, argumento de que flexibilizar a legislação facilitará criação de empregos não se sustenta


São Paulo – Em audiência pública na tarde de hoje (7) na comissão especial da Câmara, representantes das centrais sindicais criticaram a proposta de reforma trabalhista do governo Temer, contida na Projeto de Lei (PL) 6.787. "Essa reforma veio pura e simplesmente para legalizar o 'bico'", afirmou o presidente da CUT, Vagner Freitas. "É a precarização indiscriminada", acrescentou, vendo na proposta uma intenção de dificultar ou impedir o acesso de trabalhadores à Justiça.

Para o dirigente, o argumento de que flexibilizar a legislação facilitará a criação de empregos não se sustenta. A possível consequência de uma reforma, segundo ele, será a substituição de trabalhadores formalizados por outros com menos proteção social. O presidente da CUT criticou o que chamou de "visão midiática" de que tudo se resolverá com supressão de direitos.

"É momento de pararmos com as falácias", disse Vagner, para quem o governo pretende "rasgar a CLT" e tornar o país um "fornecedor de mão de obra barata", com perda de competitividade internacional. A recuperação da economia, com aumento do emprego, afirmou, só se dará com um projeto nacional de desenvolvimento.

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, criticou o que chamou de "tutela" do Estado sobre o movimento sindical, via Ministério Público, Ministério do Trabalho ou Judiciário. "Nossa central é a favor da negociação coletiva, do acordo coletivo. O debate não é o negociado sobre o legislado, mas sobre o papel do sindicato", afirmou, defendendo o fortalecimento das entidades, com garantias de financiamento, para assegurar o processo de negociação. Nesse sentido, ele criticou decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre contribuição assistencial.

Também para o secretário-geral da CSB, Álvaro Egea, afirmar que a flexibilização permitirá a criação de milhões de postos de trabalho é algo de difícil comprovação. "O que vai gerar emprego é restabelecer a indústria da construção pesada, a construção civil e, sobretudo, uma política industrial", argumentou.

O diretor de Organização Sindical da Nova Central, Geraldo Ramthun, considerou inoportuno o momento de apresentação do PL 6.787, considerando o período de crise econômica e desemprego em alta, vendo na possibilidade de supressão de direitos uma fragilização ainda maior da proteção social aos trabalhadores.

A expectativa é de que o relatório seja apresentado em meados de abril – o relator da comissão especial é o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN). Amanhã, o colegiado ouvirá representantes patronais.




Rede Brasil Atual



Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;