Flavia Melhorance
Para a BBC Brasil em Londres
Funcionário de supermercado em Hong Kong recolhe produto brasileiro após restrição

Enquanto o Brasil tenta conter os prejuízos no mercado internacional em meio às suspensões de importação de carne por causa do escândalo de adulteração e corrupção no setor, outros países enxergam o fato como oportunidade.


Grandes produtores de carne, como Estados Unidos e Austrália, estão de olho em mercados em que Brasil tinha força, como a China e a União Europeia.

Também de olho no espaço que será deixado pelo Brasil, mas com menor potencial de exportação, estão Argentina, Irlanda e Nova Zelândia.

Especialistas, ainda assim, dizem acreditar que o Brasil tenha uma vantagem: outros países terão dificuldade de suprir a demanda de um dos maiores exportadores de carne do mundo.
Hong Kong impõe barreira

A indústria da carne brasileira exporta o equivalente a US$ 12 bilhões por ano, de acordo com a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

Só de carne bovina foram gerados US$ 5,5 bilhões, com as 1,4 milhão de toneladas enviadas a 150 países em 2016, segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

O maior comprador é Hong Kong - região administrativa especial da China -, que importou 330 mil toneladas, gerando US$ 1,1 bilhão para o Brasil.

Na terça-feira, autoridades sanitárias do Japão e de Hong Kong suspenderam a exportação de carne brasileira, na esteira de restrições já impostas por China, Chile, União Europeia e Suíça.

Os Estados Unidos, maior importador de carne processada do Brasil, anunciaram que aumentarão a fiscalização sobre os produtos.

A expectativa é que outros mercados ainda venham a impor barreiras ao Brasil, o que traz oportunidades para competidores.

"Estados Unidos e Austrália geram preocupação", comentou o presidente da AEB, José Augusto de Castro.

"É possível que nesses primeiros meses o Brasil perca mercados, especialmente de frango e carne bovina, para grandes produtores", disse.

Fábrica de carne processada em Lapa, no Paraná, recebe inspeção

A proximidade geográfica com a China - segundo maior importador de carne brasileira - pode dar vantagens à Austrália, enquanto os Estados Unidos miram os países europeus.

A estimativa da AEB é que o Brasil tenha prejuízos de até US$ 2 bilhões este ano no mercado internacional, influenciado tanto pelas restrições como por uma provável queda do preço da carne brasileira.

O preço da carne brasileira já era relativamente baixo, segundo Castro. Os preços de frango, carne bovina e suína tinham recuado, em média, 25% entre 2011 e 2016.

No último ano, os frigoríficos brasileiros vinham conseguindo vender a preços melhores, com aumento de 40% no preço da carne suína, 20% do frango e 10% da carne bovina.

"Espera-se que essa valorização seja toda perdida", lamenta Castro.

O que pode salvar o mercado brasileiro é a dificuldade de outros países de produzir a quantidade que o Brasil hoje exporta.

"O Brasil é o maior produtor de carne de frango e de longe o maior exportador, então acho improvável que alguém consiga substituí-lo", afirmou à BBC Brasil Liz Murphy, CEO da Associação Internacional de Comércio de Carnes (IMTA, na sigla em inglês).

Além disso, países exportadores enfrentam seus próprios desafios para competir internacionalmente.

A Austrália, segundo maior exportador de carne bovina, recupera-se de uma forte seca no último ano, que afetou rebanhos e elevou os preços do seu produto.

Já os Estados Unidos enfrentam um surto de gripe aviária. E, antes da crise, o país era visto, inclusive, como oportunidade para o mercado brasileiro.

Competidores internacionais podem tomar mercados brasileiros
Argentina, Irlanda e NZ

A Argentina também tem expectativas: a Câmara Argentina de Feedlot (pecuária intensiva) afirmou à agência Diarios y Noticias (DyN) que o país vizinho "não teria dificuldade" em colocar seus produtos na Europa e em países asiáticos depois do que ocorreu no Brasil.

E a Câmara da Indústria da Carne (Cicra, na sigla em espanhol) afirmou ao jornalClarín que espera ampliar a exportação ao Chile.

O empecilho, neste caso, é a valorização do produto. A boa fama do bife argentino o torna até 15% mais caro que o brasileiro.

Além do preço, a Argentina não tem excedente suficiente para vender a outros países, segundo José Augusto de Castro e a Confederação Rural Argentina, citada no DyN.

Ao mesmo tempo, o país abriga frigoríficos controlados pela BRF, uma das empresas afetadas pela operação Carne Fraca da Polícia Federal.
Disputa na Europa

Dados da Comissão Europeia mostram que a Europa importou 140 mil toneladas de carne brasileiraem 2016, cerca de 40% do total.

Assim que o escândalo veio à tona, associações irlandesas de produtores de carne cobraram a proibição de importações de carne brasileira pela União Europeia.

A intenção é expandir a atuação no mercado europeu, especialistas afirmaram aoAgriLand, um portal de notícias irlandês especializado em agricultura.

"A Irlanda sempre pressionou por barreiras à produção", acrescentou Castro. "Mas o problema deles é o alto custo dos produtos."

Em ofensiva de comunicação dois dias após operação da PF, presidente Michel Temer levou representantes de importadoras de carne a churrascaria

Do outro lado, quem quiser exportar para a China terá de enfrentar um rígido e longo processo de certificação sanitária.

"Muitos países têm interesse em exportar para eles", diz Liz Murphy, da IMTA, baseada em Londres.

"O Reino Unido, por exemplo, nem sequer conseguiu um acordo para iniciar as negociações (para exportar carne para a China), porque o país não está livre da gripe aviária."

A Nova Zelândia já tem a certificação, e 12% das importações de carne bovina da China vêm de lá.

"Nos últimos anos, a Nova Zelândia tem enfrentado crescente competição do produto brasileiro em seus mercados tradicionais, como a China", explicou Cornelius Williams, economista rural do banco ANZ, da Austrália e Nova Zelândia.

"Se a carne brasileira continuar suspensa, isso pode aumentar o retorno do país", concluiu Williams, ponderando que a situação ainda está nebulosa demais para se prever a movimentação dos mercados.

A Nova Zelândia não tem escala mundial como o Brasil, e grande parte de sua oferta tem foco na distribuição de laticínios. Mas Williams lembrou que há relações já estabelecidas com mercados-chave, como Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul e Europa.
Momento crucial

Isso significa que as consequências da crise vão depender de como o Brasil irá lidar - e comunicar - o combate à corrupção da carne.

Ou seja, os especialistas consultados pela BBC Brasil concordam que as denúncias de propinas a fiscais e de adulteração de carne são gravíssimas e que o escândalo tem um potencial de danos sem precedentes à imagem brasileira nesse mercado internacional.

Mas a forte procura pela carne brasileira e a dificuldade encontrada por outros mercados podem amenizar as consequências econômicas se o país souber responder à crise.

"A situação é bastante fluida no momento. Os países podem mudar de posição e alterar suas políticas à medida que mais fatos sejam conhecidos", diz Murphy.

Carne recolhida em supermercado do Rio de Janeiro

O presidente da AEB menciona o exemplo da Coreia do Sul, que chegou a banir a carne brasileira, mas recuou da medida.

"Quando a operação ocorreu, parecia que era um problema generalizado e houve reações como a da Coreia. Aos poucos, entendeu-se que eram 21 frigoríficos envolvidos nos crimes num universo de 4.400 empresas brasileiras", comenta Castro.


BBC Brasil



Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;