O BRASIL COSTUMA importar políticas públicas de vários lugares. E isso em si não é um problema. Mas, em algumas áreas, elas chegam também com problemas agregados. Quando a temática é segurança pública, não raro oBrasil importa dos Estados Unidos políticas racistas e falidas, implantadas no século passado.

A Nova Iorque dos anos 80 se tornou conhecida tanto pela “epidemia de crack”, quanto pela política de tolerância zero do prefeito Rudolph Giuliani, vendida ainda hoje como milagre contra a criminalidade. A teoria das janelas quebradas ganhou o mundo e, mesmo já tendo sido colocada em xeque pelo Inspetor-Geral do Departamento de Polícia de Nova Iorque, ainda é querida por muitos brasileiros, dentre eles, o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra.

Conhecida como a cidade mais diversa do mundo, Nova Iorque reconheceu os erros e abandonou velhas políticas. Mas o ministro ainda bate nessa tecla gasta e não está sozinho. Muitas pessoas repetem o mesmo senso comum. Não é por falta de acesso a informação e nem precisa ir tão longe para se ter bons exemplos. No Brasil mesmo tem ao menos três iniciativas de sucesso pautadas pela não violência e pelos direitos humanos para responder ao uso de crack por pessoas em situação de rua.

Com suas particularidades, os projetos Aproximação: A cena de drogas da R. Flávia Farnese, realizado pela ONG Redes da Maré, no Rio de Janeiro;Programa de Braços Abertos, da Prefeitura de São Paulo; e o ATITUDE: Atenção Integral aos Usuários de Drogas e seus Familiares, do Governo do Estado de Pernambuco, compartilham do princípio-chave de entender as pessoas que habitam as chamadas “Cracolândias” brasileiras e tratar seus problemas de forma pragmática em benefício de toda a comunidade local e do entorno.

“Cada um tem uma história diferente, cada um passou por situações diferentes. Ninguém está aqui porque gosta de drogas não. Mas devido às circunstâncias nas quais crescemos e fomos criados, demos nisso aí, é desde criança na rua.” —Pessoa atendida pelo Projeto Aproximação, no Rio de Janeiro

Estas informações estão dispostas no relatório Crack: Reduzir Danos — Lições Brasileiras de Saúde, Segurança, e Cidadania, lançado há pouco pela Open Society Fondations. O The Intercept Brasil conversou com Daniel Wolf, diretor internacional de desenvolvimento e redução de danos da Open Society sobre o cenário no Brasil e nos Estados Unidos. Confira:



The Intercept Brasil


Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis cliente. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;