Washington já manifestava planos de arrendar o território; até hoje Cuba considera ilegal a presença norte-americana


Em 22 de março de 1903, os Estados Unidos instalam base militar em Guantánamo, Cuba. As relações entre Cuba e os Estados Unidos já eram conflituosas antes ainda das lutas pela independência. Planos para aquisição da ilha foram manifestadas por Washington em varias ocasiões. Enquanto diminuía a influência espanhola no Caribe, os Estados Unidos ganharam aos poucos uma posição de domínio político e econômico sobre a ilha.

As relações entre o continente norte-americano e a colônia espanhola de Cuba começaram já no século 18. À medida que o comércio legal e ilegal se incrementava, Cuba se converteu em importante centro de produção de tabaco e açúcar, o que levou ao crescimento do fluxo mercantil de Cuba aos portos dos Estados Unidos.

WikiCommons // Vista aérea de parte da base naval norte-americana na baía de Guantánamo, em Cuba, nos dias de hoje

A independência da 13 Colônias norte-americanas em 1776 aumentou as posibilidades de intercâmbio comercial entre Washington e Havana. Após a abertura da ilha ao comércio mundial em 1818, os acordos cubano-estadunidenses substituiram as conexões comerciais com a Espanha. Em 1820, Thomas Jefferson afirmou que Cuba era “o acréscimo mais interesante que se podía fazer ao nosso sistema de estados” e disse ao Secetário de Guerra, John Calhoun, que devia “na primeira oportunidade tomar Cuba”. Quincy Adams, Secretário de Estado, comparou Cuba com uma maçã que, ao separar-se da Espanha, gravitaria em direção aos Estados Unidos.

Em 1854, uma proposta secreta conhecida como o Manifesto de Ostend foi idealizada pelos diplomatas de Washington para adquirir Cuba da Espanha por US$ 130 milhões. Já em 1877, os Estados Unidos açambarcavam 82% das exportações de Cuba, podendo com isso controlar preços e produção diretamente. Cada vez mais cidadãos estadunidenses passaram a residir na ilha e alguns bairros à beira-mar tinham mais características de cidade norte-americana do que espanhola. Entre 1878 e 1898, investidores norte-americanos aproveitaram as condições econômicas cubanas, deterioradas devido à Guerra dos Dez Anos, e compraram propriedades a preços muito baixos.

O Secretário de Estado James Blaine escreveu em 1881 sobre Cuba: “A rica ilha, chave de entrada no Golfo do México, e via para estender nosso comércio pelo hemisfério ocidental, é, ainda que em mãos de Espanha, uma parte do sistema comercial americano. Se deixasse de ser espanhola, Cuba deve necessariamente tornar-se americana.”

Em 1897, o presidente William McKinley ofereceu comprar Cuba por US$ 300 milhões. A oferta foi rechaçada e a estranha explosão que afundou o couraçado USS Maine no porto de Havana provocaria a Guerra Hispano-Americana.

Independência condicionada


Em 10 de dezembro de 1898, Espanha e Estados Unidos firmaram o Tratado de Paris, ocasião em que o país europeu abriu mão de todos os seus direitos sobre Cuba. O tratado, do qual a Espanha pediu que os cubanos não participassem, poria fim ao Império Espanhol na América e marcava o principio da expansão e do domínio político dos Estados Unidos na região. O controle militar sobre a ilha durou até 1902, quando finalmente foi concedida a independencia formal a Cuba.

WikiCommons // Após os atentados de 11/9, os EUA instalaram na base militar uma prisão, muito questionada por violar direitos humanos

Uma das condições estabelecidas entre Cuba e Estados Unidos para assegurar a retirada das tropas estadunidenses da ilha era a adoção por Cuba da Emenda Platt. Esta medida estipulava que Washington poderia exercer o direito de intervenção em assuntos políticos, econômicos e militares cubanos em caso de necessidade. Outra consequência da emenda supunha o uso prolongado por parte dos Estados Unidos da porção meridional da Baía de Guantânamo, onde uma base naval havia sido estabelecida em 1898. O arrendamento da baía foi confirmado pelo Tratado Cubano-Americano.

Apesar da passagem de Cuba a uma república independente, os Estados Unidos assumiram o controle militar após uma rebelião dirigida por José Miguel Gomez. Em 1912, forças norte-americanas voltaram novamente a Cuba para acalmar protestos de afro-cubanos contra a discriminação racial.

Em 1926, as companhias dos Estados Unidos detinham mais de 60% da indústria açucareira cubana e importavam 95% do total da colheita cubana. Washington apoiou os sucessivos governos cubanos, mas o confronto interno entre o governo Gerardo Machado e seus opositores políticos levaram a um derrocamento militar dos rebeldes cubanos em 1933. O embaixador Sumner Welles solicitou a intervenção de marines ao presidente Roosevelt. Foram enviados 29 navios de guerra fortemente armados.

O sucessor de Machado, Ramón Grau, assumiu a presidência e anulou imediatamente a Emenda Platt. Em represália, Washington negou reconhecimento ao governo Grau, o qual era descrito pelo embaixador Welles “comunista” e “irresponsável”.

Os Estados Unidos continuaram a ter posse da base naval de Guantánamo. Foi definitivamente arrendada aos Estados Unidos e somente um acordo mútuo ou o abandono dos Estados Unidos da área poderia encerrar o arrendamento.

Anualmente, os EUA pagam pelo arrendamento mas Havana não aceita o pagamento. A presença do país em Guantánamo permanece contra a vontade do governo cubano que a considera uma ocupação ilegal e violatória de sua soberania.



Opera Mundi



Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;