Antes de ser chefe de governo, foi embaixadora de Israel na União Soviética, ministra do Trabalho e ministra de Relações Exteriores


No dia 17 de março de 1969, uma mulher assumiu pela primeira vez a chefia do governo israelense. O caráter resoluto de Golda Meir lhe valeu uma frase famosa de Ben Gurion – “ela é o único homem nesse gabinete cheio de homens” - , de quem havia sido ministra.

Golda Meir (Meyerson), nascida Golda Mabovitch em Kiev, em 3 de maio de 1898, política, diplomata, foi a quarta primeira-ministra de Israel e a terceira mulher no mundo a assumir tão alto cargo. Sua política intransigente e seu estilo de liderança lhe valeram o epíteto de “Dama de Ferro”.

Antes de ser chefe de governo, foi embaixadora de Israel na União Soviética, ministra do Trabalho e ministra de Relações Exteriores.

Em fevereiro de 1969, aos 70 anos, já pensava em encerrar a carreira política, quando subitamente faleceu o então primeiro-ministro Levi Eshkol, sucessor de Ben Gurion. Golda Meir era a terceira opção do bloco trabalhista, já que os dois primeiros candidatos não obtiveram clara maioria no Parlamento. Meir recebeu apenas 12 votos contrários no Knesset.



Imagem: Wikimedia Commons



A larga coalizão de governo foi mantida. Apesar de nas eleições, alguns meses mais tarde, seu partido perder a maioria absoluta no Parlamento (56 de 120 mandatos), Meir continuou no poder.

Golda Meir era fumante inveterada e tinha sotaque norte-americano. Aos oito anos, migrou com os pais para os Estados Unidos. Estudou magistério e participou do movimento sionista. Em 1921, migrou com o marido, Morris Meyerson, para a região da Palestina, então território britânico. Dois anos depois, mudaram-se para Tel Aviv, onde nasceram seus dois filhos.

Neste tempo, Golda iniciou a carreira política. Engajou-se no movimento sindical "Histadrut" e, como sua líder política, negociou ativamente com os britânicos a permissão para mais judeus ocuparem a Palestina. A Grã-Bretanha estava diminuindo a cota de migrantes judeus, temendo reações dos árabes.

"Golda", como a princípio era conhecida em todo Israel, fez contatos com os vizinhos árabes para evitar a guerra iminente. Vestida de árabe, negociou com o rei Abdallah da Transjordânia para impedir um ataque a Israel, que estava se constituindo como Estado. Ela fracassou, mas sua determinação impressionou o mundo árabe.

Em maio de 1948, Golda participou da assinatura da proclamação de Israel e, logo na primeira equipe de governo, foi embaixadora israelense em Moscou. Paralelamente, ocupou uma cadeira no Knesset até 1974.

Em março de 1949, assumiu o Ministério do Trabalho e Segurança Social, e, de 1956 a 1966, foi ministra do Exterior. Logo no começo, teve que defender diante das Nações Unidas a ofensiva israelense contra o Egito. Outra tarefa árdua foram as negociações pela retirada israelense da Faixa de Gaza e da península do Sinai.

Em dezembro de 1965, aos 68 anos, Golda Meir renunciou ao ministério por razões de saúde, mas dois meses depois foi eleita secretária-geral do Partido Mapai, conseguindo unificar três partidos de centro-esquerda e formar o Partido Trabalhista.

Três anos mais tarde, assumiu o cargo de primeira-ministra. Seu governo foi marcado pela Guerra dos Seis Dias, em 1967, entre Israel e a frente árabe, liderada pelo Egito, Jordânia e Síria. Neste período, Israel ocupou o setor oriental de Jerusalém, a Cisjordânia e as colinas de Golã, na Síria.


Em agosto e setembro de 1972, em Munique, se celebraram os Jogos Olímpicos, onde ocorreram os tristemente recordados episódios conhecidos como o “Massacre de Munique”. Oito membros da organização terrorista palestina Setembro Negro irromperam na Vila Olímpica, tomando como reféns 11 atletas olímpicos israelenses, dois deles assassinados no ato.

Eles exigiam a libertação dos fundadores da organização terrorista alemã Fração do Exército Vermelho Baader-Meinhof, Andreas Baader e Ulrike Meinhof , que se encontravam em cárceres alemães, e de palestinos.

Com o espírito de não negociar com terroristas, Meir negou o pedido e disse: “Se negociarmos, nenhum cidadão israelense estará seguro em nenhuma parte do mundo em toda a sua vida” O governo de Tel Aviv mobilizou a unidade antiterrorista, porém o governo alemão não permitiu que ingressasse em seu território.

Indignada pela aparente falta de ação mundial, Golda Meir ordenou aos serviços de inteligência israelenses que iniciassem a busca de todos os cabeças e envolvidos quer do Setembro Negro, quanto da Frente Popular para a Libertação da Palestina, que participaram do Massacre de Munique. Uma operação que passou a ser conhecida como “Cólera de Deus”, culminou com a perseguição e eliminação de terroristas palestinos que participaram do assassinato dos atletas.

Em vez da paz, tornou-se mais acirrado o enfrentamento com a Organização para a Libertação da Palestina. A situação foi agravada em outubro de 1973, com a Guerra do Yom Kipur. A Síria e o Egito atacaram as posições israelenses para recuperar os territórios perdidos na Guerra dos Seis Dias. O fracasso da estratégia israelense no começo desta segunda guerra e o aumento do isolamento internacional de Israel se refletiram na política interna.

As críticas crescentes ao governo e a grande perda de eleitores na votação em dezembro de 1973 levaram Golda Meir a decidir-se pela renúncia em abril de 1974. Ela faleceu de câncer no dia 8 de dezembro de 1978, em Jerusalém, aos 80 anos de idade.



Opera Mundi



Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;