Após muito tempo, apenas um tema conseguiu unir lado a lado fãs de BBB, adoradores de Kardashians e a esquerda no Twitter: a repulsa à reforma da previdência.


Durante o dia 15/03, marcado por manifestações contra a Reforma da Previdência e o governo Temer, capturei ocorrências que contivessem os seguintes termos: #15M, #GreveGeral, #QueroMeAposentar e “Reforma da Previdência”.
#15M no Twitter durante o dia 15/03.

Como podemos observar, o maior agrupamento durante o período foi o representado pela cor verde – e aqui está o ponto mais interessante desse cenário capturado pela análise: trata-se um agrupamento de usuários que raramente se envolve no embate político no Twitter. Material gráfico que retrate concretamente os prejuízos da reforma para a população, bem como manifestações de setores de trabalho que possuem contato direto com esse público jovem (professores, por exemplo), tem enorme impacto entre esses usuários. Voltado a assuntos do cotidiano, BBB e temas especificamente “trends” no Twitter, voltaram suas atenções para a Reforma da Previdência e impactaram dezenas de milhares de usuários que não são impactados pelo outro agrupamento engajado nessa disputa contra a reforma: os agrupamentos amarelo/rosa/vermelho.

Esse “emaranhado” de agrupamentos formado, na realidade, por cerca de seis agrupamentos significativos, engloba os usuários regularmente engajados no debate e cobertura política dos eventos progressistas no Twitter. Conta também com alguns perfis que foram os responsáveis por “produzir e alimentar” a intersecção entre ambos grande-clusters que se uniram, de certa forma, contra a reforma da previdência.

No que podemos chamar de centro-oeste do mapa estão os usuários da imprensa dita tradicional brasileira, que se revezaram entre a ausência da cobertura das manifestações e notícias acerca dos “transtornos” causados pelas greves e paralisações, alimentando assim outro cluster representativo: o agrupamento azul, localizado na parte superior do grafo. Aqui, não é surpresa, o principal e potencial usuários é – e será – o Movimento Brasil Livre, responsável por dar uma nova “roupagem” nos próximos dias a reforma proposta por Michel Temer. No que se refere ao Twitter, mora aqui a principal esperança do governo Temer de “mudar a maré” acerca da reforma e da opinião pública.

O que o #15M nos mostrou foi, mais uma vez, a completa ausência de uma cobertura massiva da imprensa tradicional que se assemelhasse aquelas realizadas durante o processo de impeachment. Esse ponto foi levantado por muitos usuários que, cada vez mais, encontram em usuários como Mídia Ninja,Brasil de Fato, RBA, Jornalistas Livres, The Intercept Brasil e outros canais de mídia independente, uma luz no fim desse longo, macabro e escuro túnel que é a imprensa brasileira.

É também interessante - para não dizer irônico - que um governo que semanas atrás foi acusado de tentar comprar o apoio de jovens youtubers e influenciadores de rede tenha conseguido, em tão pouco tempo, criar um buzzcapaz de envolver no debate político do Twitter um agrupamento de influenciadores tão importante para a rede e tão alheio ao debate político como é o agrupamento verde, destacado no início do texto.

Fato é que, ao contrário do que Temer afirmou, a sociedade está longe de entender, compreender e até mesmo apoiar as reformas proposta por seu governo. E o #15M demonstrou que, para além das ruas, as redes também demonstram que não, não se trata apenas de mais um embate "sindicatos x governo". Dessa vez, o buraco é mais embaixo.

Oximity



Gostou do Blog? Divulgue. Curta. Compartilhe. Colabore. Aproveite os preços baixos dos livros. AQUI Últimos livros Anunciados e AQUI Tabela de Preços Promocionais
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;